A IX edição dos Jardins Efémeros vai realizar-se em Viseu, entre os dias 3 e 11 de julho, sob o tema "A Palavra e as Linguagens" e uma programação multidisciplinar criada para públicos diversificados.

Ao todo, são oito as categorias em torno das quais se inscreve a programação deste ano: artes visuais, arquitetura, som, cinema, pólis, oficinas, mercados e teatro, e dança.

Na área das artes visuais, passarão por Viseu nomes nacionais incontornáveis como João Louro, João Pais Filipe e Marco Franco e Joana Pestana, entre muitos outros.

O programa conta com a participação de 18 projetos expositivos, em diversos locais, linguagens e formatos: exposições individuais e instalações, escultura, desenho, pintura, fotografia, tipografia, entre outros formatos. As exibições terão lugar na Galeria Venha a Nós a Boa Morte, nas galerias pop-up da Rua Cândido dos Reis, no Parque Aquilino Ribeiro, nos Claustros da Sé de Viseu, e até no próprio website do festival.

Para esta edição, produziram-se duas chamadas com o objetivo de selecionar doze artistas emergentes para as artes visuais. Da Chamada de Artistas Visuais, foram escolhidos Frédéric Touchard, Os Espacialistas, Luísa Tudela, Mariana Tudela & Pedro Fernandes, Tiago Lopes e Joana Monteiro. Já da chamada Estado De Emergência #1, foram selecionados os artistas Liliana Velho, Frédéric Develay, Ana Margarida, Patrícia Vieira Campos, Vanessa Marieiro e Filipa Ventura.

A edição dos Jardins Efémeros de 2021 contará também com 24 projetos na área de som, que incluem quatro espetáculos híbridos e duas residências artísticas. Bill Fontana e Pedro Rebelo estarão em residência, no Teatro Viriato, para cocriarem uma instalação de arte sonora, a implantar nos claustros da Sé de Viseu. E o espanhol Suso Saiz e o português André Gonçalves farão uma residência artística, também no Teatro Viriato, para criarem uma composição sonora que mostrarão, no palco Youkali.

Lyra Pramuk, HeatherLeigh, Bendik Giske, Deena Abdelwahed, dos EUA, Reino Unido, Noruega e Turquia, são presenças internacionais que se apresentarão a solo, para concertos, pela primeira vez em Portugal. Os projetos sonoros terão lugar no Palco Youkali, lago do parque Aquilino Ribeiro, no Palco Nenhures, fontanário do parque Aquilino Ribeiro e no Teatro Viriato.

O Teatro Viriato será ainda palco de espetáculos híbridos, como Territoire Éphémères, da compositora de música eletrónica Dasha Rush, em colaboração com o bailarino Valentin Tszin e o artista digital Alex Guevara. As quatro apresentações culminarão com a peça híbrida "NKISI", do coletivo LOA, que reúne músicos, performers, artistas visuais, investigadores e espíritos ancestrais, sob a direção de Gil Mac.

Imagem do espectáculo Territoire Éphèmeres

Das 71 candidaturas recebidas na chamada de artistas sonoros emergentes, foram selecionados cinco projetos: Odete, Ece Canli, Bleid, Candian Rifles e Mad Nomad. Nuno Veiga, Fitas Magnéticas, Galadrop, Marco Franco são outras presenças de artistas portugueses que apresentar-se-ão, em Viseu, com novos trabalhos.

Sob o tema "A palavra e as Linguagens", a IX edição dos Jardins Efémeros encerra com um concerto de Rui Reininho, acompanhado por instrumentistas, com quem apresentará o álbum 20.000 Éguas Submarinas.

Na área do cinema, e sob o tema desta nona edição, a investigadora Isabel Nogueira programou quatro sessões ao ar livre, que propõem "uma viagem por vários universos da linguagem e da palavra, em sentido alargado, tais como, a dança, a música, a memória, a imagem, o experimentalismo, ou, inclusivamente, a própria impossibilidade da comunicação."

Destaque ainda para "Empatias", um projeto de arquitetura paisagista e de arte urbana, criado por Alexandre Farto (VHILLS), Cristina Robalo, fundadora e sócio-gerente da Ideia Verde e Sandra Oliveira, diretora artística dos Jardins Efémeros. Todos os envolvidos trabalharam pro buono para a criação de uma proposta de reabilitação do jardim e da Mata do Hospital Psiquiátrico de Abraveses, em Viseu, a ser candidata ao Orçamento Participativo do Município de Viseu.

O Mercado Indo Eu – promovido pela Junta de Freguesia de Viseu, e onde as pessoas poderão trocar e comercializar artigos usados em bom estado, antiguidades e produtos vintage, ou de produção própria – e o Mercado do Sons e de Letras x Grão a Grão ocorrerão também de 3 a 11 de julho. Numa vivência repartida o restaurante vegetariano Grão a Grão e a loja de discos e de publicações de arte Matéria Prima criarão um espaço dedicado ao bem-estar físico e mental dos visitantes, durante a realização dos Jardins Efémeros.

Organizados pela Pausa Possível - Associação Cultural e de Desenvolvimento, os Jardins Efémeros são financiados pelo município de Viseu e pela Direção Geral das Artes, contando com o patrocínio em géneros de outras entidades.

Texto de Flávia Brito
Fotografia de Ece Canli

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.