fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

José Pacheco Pereira atribuiu nota 7 à probabilidade de uma guerra na Europa

O antigo dirigente do Partido Social Democrata afirmou que, perante uma nova ordem mundial, a probabilidade de novos conflitos nos países europeus é muito elevada. Numa entrevista ao Gerador, reconheceu que a invasão da Ucrânia pela Rússia, um “país que tem uma tradição imperial”, foi um assunto ignorado no decorrer da campanha para as eleições legislativas. Teceu também críticas ao trabalho dos órgãos de comunicação social e dos partidos políticos: “A combinação entre as audiências e os votos faz esta coisa absolutamente absurda, ignorante e irresponsável que é não se discutir”.

Texto de Margarida Alves

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Nota: esta entrevista foi feita antes das eleições. Veja ou ouça a entrevista na íntegra aqui.

A escolha da pergunta certa no momento certo é crucial para José Pacheco Pereira, que dirigiu uma provocação aos partidos pouco determinados em investir na política externa e na defesa. O historiador admitiu que gostaria de questionar o líder do Chega sobre se a vitória de Donald Trump é benéfica para os restantes países. A Pedro Nuno Santos perguntaria se está disposto a aumentar o investimento na defesa até aos 2% do PIB exigidos pela NATO. E remata: “Será que o Governo que vai presidir reconhece dois Estados na Palestina e Israel?”

Já sobre o líder do PSD, explicou que Luís Montenegro “tem tido um papel de impedir uma certa radicalização a que o PSD tinha vindo a cair nos últimos tempos, principalmente na demarcação com o Chega e na tentativa de deslocar um pouco o PSD para uma posição centrista e menos direitista”. O ex-deputado evidenciou as semelhanças entre os dois maiores partidos: “As propostas do PSD e do PS são da mesma natureza. Umas são mais estadistas, outras menos estadistas, mas a natureza das propostas é a mesma. E é uma natureza empobrecedora em relação à vida política”.

O casamento da Iniciativa Liberal com a Aliança Democrática significa o completo abandono da identidade do PSD e dos seus parceiros de coligação, mas Pacheco Pereira reconhece esse cenário como plausível. Ressalvou que Montenegro deve manter o “não” ao acordo de governação com o Chega, mas a possibilidade do seu afastamento abre portas a novas negociações, muito ansiadas pelos eleitores que veem na viragem à direita a mudança que o país precisa. “Há muitos que não querem e há muitos que acham que é um mal menor se for para afastar o Partido Socialista do poder. Os argumentos do mal menor são esses e a vontade do poder é grande”, afirma.

José Pacheco Pereira considera particularmente relevante a capacidade de manipulação inerente ao “poder do mau jornalismo”, geralmente muito politizado. “As pessoas obtêm toda a sua informação na Internet, no TikTok, que é o que acontece hoje aos mais novos. É um crescimento do engraçadismo. Não se pode substituir o debate racional por coisas engraçadas”, explica. Acrescenta ainda que “a perda do valor da racionalidade na vida política é uma coisa que é antidemocrática. E, portanto, a democracia está em risco. Não é só a guerra, não é só o futuro, não é só crise do modelo económico. É também uma crise cultural profunda”. O antigo dirigente acredita que o sentido crítico e o tempo para a discussão são as únicas ferramentas para contornar os perigos iminentes do imediatismo.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

23 Maio 2024

Observação de baleias: O novo sol azul ou a procura da paz por todas as formas possíveis

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

22 Maio 2024

Sara Cerdas: “Não podemos apenas viver de políticas feitas a pensar no ciclo político”

21 Maio 2024

Miradouro da Lua, colonialidade crua

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

20 Maio 2024

Mulheres em situação sem-abrigo: números atuais podem ser apenas a ponta do icebergue

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

16 Maio 2024

Repasto: A propósito dos 50 anos de Abril, brincamos dizendo coisas sérias

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0