“Esta é a banda sonora de uma revolução social, um grito a favor da igualdade e a uma só voz — mesmo que encontremos por aqui artistas de géneros, idades, passados e contextos tão diferentes”. É assim que se apresenta, no comunicado de imprensa, Labanta Braço, a compilação musical lançada em conjunto por a plataforma Rimas e Batidas e o programa de rádio Raptilário.

Meses depois da morte de George Floyd e, mais recentemente, de Bruno Candé Marques, o Rimas e Batidas e o Raptilário quiseram “fazer mais” e criaram esta compilação “por todas as vítimas do racismo e da opressão social”, “pela mudança, paz e justiça”. Ao todo são 37 faixas que podes ouvir de forma gratuita.

Alexandre Francisco Diaphra, Ângela Polícia, Arekkusu, Bambino, Blaeckfull, Cachupa Psicadélica, Danykas DJ, Deejay Télio, DJ ADAMM, DJ Lycox, DJ Marfox, DJ Núcleo, DJ Satelite, Dotorado Pro, El Conductor, FRXH, herlander, Jackpot BCV, Juzicy, Kilú, Macaia, Mizzy Miles, Nástio Mosquito, Nel’Assassin, Nelsoniq, Nídia, Nigga Fox, Nzhinga, oseias., PHOEBE, prétu, rkeat, Wake Up Sleep, Slow J, Studio Bros, Tóy Tóy T-Rex and Young Max são os artistas que compõem Labanta Braço. A compilação está disponível no Bandcamp de forma gratuita, mas apela-se a uma contribuição solidária de todos. 

As receitas angariadas até ao dia 4 de setembro serão doadas à SOS Racismo e, depois desta data que marca o Bandcamp Friday de setembro, algumas marcas serão desafiadas a igualar o valor angariado. Nesta segunda fase os fundos reverterão para os criadores dos beats da compilação e pela instituição escolhida.

Podes ouvir Labanta Braço, aqui.  

Texto de Carolina Franco
Capa com ilustração de Diogo Carvalho e design de João Bettencourt.

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.