fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Leonor Chicó: “no nosso quintal já se sentem os efeitos da crise climática” 

No episódio de estreia da nova rubrica do Gerador, Entrevistas Centrais, a estudante e ativista da Greve Climática Estudantil, Leonor Chicó, explicou as reivindicações do coletivo que integra e as motivações dessa luta. O fim dos combustíveis fósseis até 2030 e a produção de eletricidade 100% renovável já no próximo ano estão entre as principais exigências do grupo que tem levado a cabo ações de protesto que dividem opiniões. A ativista assegura que a transição energética e o combate às alterações climáticas depende sobretudo de políticas governamentais e dos estímulos que são dados aos trabalhadores.

Texto de Margarida Alves

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Nota: esta entrevista foi feita antes das eleições. Podes ver ou ouvir a entrevista na íntegra aqui.

A estudante de antropologia afirma que é fundamental dar visibilidade ao consenso científico sobre as alterações climáticas. A ativista já participou em marchas e ocupações de espaços académicos com o principal intuito de colocar as alterações climáticas no centro do debate público. No entanto, o movimento pela justiça climática não reúne consenso pelas formas de protesto que adota. Quando acusada da prática de atos violentos, responde: “não será mais violento viver em pleno caos climático?”.

“Gostava de mencionar que nenhum movimento transformador ao longo da história foi consensual. As sufragistas também tiveram de partir vidros”, exemplifica. Leonor recorda que a Greve Climática Estudantil organizou as suas primeiras marchas em 2019, mas cedo deixaram de ter o impacto que era desejado. “Agora percebemos que o poder está nas instituições que nos estão a falhar e que temos de as denunciar. Passámos também a agir nesse sentido. Quando escalamos as nossas táticas [pode] haver estas reações e este backlash social, mas a realidade é que sempre que nós fazemos uma ação fala-se sobre crise climática e é algo que está no debate público”, garante.

Já sobre a campanha eleitoral, lamenta que a crise climática tenha ficado fora dos debates entre os candidatos. A estudante de antropologia aponta o dedo aos partidos, denunciando a ausência de propostas que garantam o corte de 70% das emissões de gases poluentes. Acrescenta ainda que “não há nenhum partido, com assento e sem assento parlamentar, que tenha um plano para combater esta crise”. “Nós sabemos que estas eleições, [cujo mandato termina em 2028], são as últimas eleições para travar o colapso”, explica. 

Leonor Chicó manifesta apoio aos agricultores que paralisaram vias de norte a sul do país em protesto e nega estarem em lados opostos da barricada: “estes trabalhadores estão a sentir aquilo que é um panorama social, político e material de escassez e de colapso dos sistemas políticos”. De acordo com a ativista, a mobilização da sociedade civil é crucial no combate às alterações climáticas. “Não é só no sul global que se sentem os efeitos da crise climática, é aqui, no nosso quintal. É aqui, no Alentejo, onde há seca e os agricultores não têm água”, argumenta. 

A repressão policial contra ativistas e a detenção de estudantes que pretendem pernoitar nas instalações das faculdades tem merecido especial atenção por parte dos jovens. Leonor evidencia a forte intervenção das forças de segurança nas ações dos movimentos sociais no ano em que se assinala o 50º aniversário da Revolução dos Cravos: “Entendemos que os agentes de segurança pública agem em conformidade com o sistema em que se inserem, o sistema que defendem. Tem havido um aumento grande da repressão por parte do Estado que é materializada pela polícia”. 

As ações da Greve Climática Estudantil são inspiradas nos movimentos estudantis dos anos 60 e 70, que ambicionavam o progresso, conforme explicou a ativista. “Nós vivemos uma crise de memória e uma crise de imaginação. Leonor considera também que só é possível colocar a justiça social no centro das preocupações aquando da transformação dos sistemas político e económico. É mais fácil imaginar o fim do mundo do que o fim do capitalismo, mas só uma luta revolucionária é que pode trazer uma imaginação revolucionária”, afirma.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

21 Maio 2024

Mulheres na política: movimento cívico quer subir o limiar da paridade para 50%

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

14 Maio 2024

António Sampaio da Nóvoa: “a melhor política educativa é a valorização daquilo que já se faz”

7 Maio 2024

Festival Mental está de volta a Lisboa para a sua 8.ª edição

30 Abril 2024

Flávio Almada: “Devemos recusar a geografia do medo”

16 Abril 2024

‘Psiquiatria Lenta’: Crónicas de João G. Pereira no Gerador editadas em livro

9 Abril 2024

Fernando Dacosta: “Baixou-se o nível das coisas que fomenta a infantilização das pessoas”

3 Abril 2024

Festival Bons Sons convida o público a viver a aldeia em toda a sua diversidade

2 Abril 2024

Mariana Vieira da Silva: Marcelo “será visto como alguém que contribuiu para a instabilidade”

26 Março 2024

Diana Andringa: “o jornalismo está a colaborar na criação de sociedades antidemocráticas”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0