O Musicbox Lisboa, ainda encerrado por causa da pandemia de covid-19, vai programar uma série de atuações ao vivo, no Teatro Municipal São Luiz. Ao todo serão nove sessões de música, a decorrerem de 9 a 12 e de 15 a 19 de julho.

A parceria entre o clube e o teatro municipal tem por título Takeover #1 e surge depois de um desafio lançado à EGEAC, entidade responsável pela promoção cultural em Lisboa.

Os Linda Martini são os primeiros a subir ao palco da Sala Luis Miguel Cintra, no dia 9, pelas 21h00. A este arranque segue-se, no dia 10, um “Baile Sentado” de música lusófona com curadoria do B.Leza, com a participação de Jon Luz, Maria Alice, Nancy Vieira e Tito Paris.

A 11 de julho, sobe ao palco Pedro Coquenão, mais conhecido por Batida, e, no dia seguinte, a 12, a dupla Lavoisier que apresenta o álbum Viagem a Um Reino Maravilhoso, lançado em 2019 composto a partir da poesia de Miguel Torga.

Com uns dias de descanso pelo meio, o São Luiz recebe a atuação de Márcia, a 15, seguindo-se o concerto de The Legendary Tigerman, com a participação do saxofonista João Cabrita, no dia 16.

Com álbuns novos em carteira, a 17 de julho atua Moullinex, a faceta musical de Luís Clara Gomes e a 18 de julho Bruno Pernadas. Segundo o Musicbox, este concerto assinala o fim do ciclo do álbum “Those Who Throw Objects at The Crocodiles Will Be Asked to Retrieve Them”, que Bruno Pernadas editou em 2016.

Na ultima noite da programação atuam o duo eletrónico Ghost Hunt, que em maio deste ano editou o seu segundo registo discográfico “II” com selo Lovers & Lollypops e Violeta Azevedo, artista experimental lisboeta que utiliza a flauta transversal como instrumento principal criador de mundos de surrealismo sonoro.

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia de Teatro Municipal São Luiz

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.
são-luiz-morte-raquel-gerador-passtempo