Guitarras, violas e cavaquinhos multiplicam-se pela oficina de um dos mais velhos artesãos de cordofones do país. Entre os muitos instrumentos pousados no chão, arranja-se sempre espaço para mais um, seja de que tamanho for. Aos 11 anos, conheceu uma arte que não o fascinou, mas, décadas depois, é o único trabalho de que gosta. Com tantos e tão diferentes instrumentos musicais, hoje canta-se a história de vida do Sr. Domingos Machado.

Foi Alfredo Machado que abriu a oficina no início da tarde. “O meu pai está só a acabar uns reparos nuns violinos e já volta para abrir o museu.” Numa das freguesias mais afastadas do centro de Braga, existe um museu particular com quase 25 anos – O Museu de Cordofones. Vários cordofones, de diferentes séculos e partes do mundo, figuram em estantes para os amantes da música. Na oficina, constroem-se e reparam-se outros modelos.

Numa das paredes, seguram-se as diferentes ferramentas e em todas as outras são as guitarras que ocupam o espaço. A maior parte delas estão cobertas por pó ou parcialmente danificadas. No balcão de trabalho, Alfredo Machado continua preso a um cavaquinho. “O tempo de fabrico é diferente porque depende do tipo de instrumento e outras pequenas coisas”, diz, enquanto cola a madeira. O artesanato não é uma ciência exata.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A oficina localiza-se atrás do museu. Domingos Machado não demora a aparecer com as chaves na mão. Abrir o museu passou a ser rotina e, olhando para trás, não se vê a fazer outra coisa. Mas nem sempre foi assim. “Comecei a trabalhar aos 11 anos na oficina do meu pai, mas, passados dois anos, senti-me um pouco revoltado. O meu pai vendia na feira e, no verão, trabalhávamos todo o dia. Os meus amigos também trabalhavam, mas era na construção civil, então eu via-os a jogar à bola à tardinha e também queria.”

Pouco tempo depois, abandonou o ofício dos cordofones. Passou pela eletricidade e pela litografia, mas a falta de dinheiro e alguns desentendimentos no trabalho fizeram o artesão voltar para as violas. Desde então, não abandonou essa arte. “Depois, cumpri o serviço militar, casei-me e estabeleci-me.” Já lá vão 72 anos.

Pelo museu, Domingos Machado fala na história das guitarras que exibe. São instrumentos “de famílias e países diferentes”. Uma estante está reservada às ofertas que viajaram desde a Rússia, África e Polinésia. São dezenas de cordofones que se diferenciam pelo número de cordas, perfurações, tipos de madeira ou modo de afinação. Ainda assim, o Sr. Domingos conhece-los a todos. Com décadas de experiência, já não é difícil avaliar e reconhecer um instrumento de cordas. Muitas dessas aprendizagens foram ensinamentos do seu pai. “Noutro dia, apareceu uma guitarra de 1812, sabia o ano pelo rótulo”, conta. Quando não há etiqueta que identifique, é preciso conhecer a história: “A música, há cerca de 200 anos, sofreu uma grande evolução e teve-se de emendar as escalas”, continua.

Domingos Machado conhece a história de todas as guitarras do museu

Ao longo dos anos, Domingos Machado foi guardando livros, revistas e jornais. No armário, possui todas as notícias e reportagens em que foi protagonista. Em cima da mesa central, descansam papéis e livros sobre arte, música e cultura. Muitos deles contam a história de Domingos Machado, sejam portugueses, brasileiros ou de outra nacionalidade qualquer. Nos tempos livres, gosta de folhear os livros de Amália Rodrigues, todos autografados, porque a fadista nutria grande estima pela sua arte e pelo próprio artista. Entre discos, recorda fotografias com grandes nomes da música portuguesa e internacional: crê que um dos seus cavaquinhos está na posse de Paul McCartney, ex-membro dos Beatles.

Depois de quase 25 anos a receber pessoas, o balanço é positivo. No livro de visitas, as dedicatórias são já em sete línguas diferentes, inclusive japonês. “Vêm cá muitos alemães e fazem muitas perguntas sobre os instrumentos.” Domingos Machado já tem o discurso da visita guiada decorado há anos. Além dos vários instrumentos, figuram também as 13 diferentes fases da construção do cavaquinho português.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os cordofones da família Machado percorrem o mundo. “Recentemente recebi um telefonema de França, de um senhor que tem uma casa de instrumentos. Disse que tinha lá dez instrumentos e que os ia mandar para restaurar. Cinco já estão.” As encomendas chegam principalmente da Europa, já o reconhecimento pelo seu trabalho chega de todo o mundo. Apesar do êxito, o negócio não é a única motivação: “Eu restauro muitos instrumentos pelo valor estimativo. O instrumento tem sempre muita história por trás.”

Neste momento, a arte está garantida com o filho, mas nada é certo. A árvore genealógica de Domingos Machado vai aumentando, mas ainda nenhum neto seguiu o mesmo caminho. Para ele, é “difícil trazer jovens para esta arte”, mas orgulha-se dos métodos mais manuais do seu artesanato. Na oficina, usa apenas duas máquinas: uma de lixar e outra de furar, mas acredita que isso “faz um produto com mais qualidade e mais cuidado”.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Em relação ao futuro, sonha tornar o museu maior. A coleção de cordofones tem crescido e houve anos que o espaço cultural “recebeu por volta de cinco mil pessoas”. Nunca pensou em cobrar a entrada, principalmente porque são as escolas que mais o visitam. Ainda assim, o maior problema que aponta ao artesanato atual é a falta de apoios, nomeadamente no início da atividade, quando os investimentos são maiores do que os lucros.

Antes de fechar o museu ao final do dia, Domingos Machado diz que ambiciona acabar a coleção, mas também “só falta um ou outro instrumento”. Depois de 72 anos de trabalho, a receita para viver feliz continua a mesma. “Se não fosse artesão, já tinha morrido. O que me faz estar vivo é ter este convívio social que tenho no museu. Assim, eu sinto-me feliz”. Apaga as luzes e fecha a porta. Amanhã, o museu abrirá de novo. É assim há quase 25 anos.

Texto e fotografias de Gabriel Ribeiro

Se queres ler mais reportagens sobre a cultura em Portugal, clica aqui.