fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Opinião de Natércia Rodrigues Lopes

Carta do Leitor: O argumento romântico para a participação política

A Carta do Leitor de hoje chega-nos pelas mãos de Natércia Rodrigues Lopes, que desvenda o lado emocional da participação política.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A força da Democracia está na pluralidade das vozes que de forma igualitária a constituem: a mais participada das Democracias é também a mais forte. A perda de participação política que marca os nossos dias é, por isso, simultaneamente um factor e um sintoma de deterioração do sistema democrático. Cresce, em silêncio mas implacável, a distância entre as pessoas e a Democracia que deveria ser sua, e que só pode dizer-se plena quando for verdadeiramente inclusiva.  

Os argumentos para a participação política tendem a focar-se no apelo ao voto, frisando a importância de não abdicarmos da nossa voz. A participação política é também uma forma de serviço à comunidade em que nos inserimos, ou uma forma ativa de defendermos os nossos direitos individuais e coletivos. Todos estes argumentos são válidos e verdadeiros. Mas esquecem que a política é muito mais que momentos eleitorais, e que a Democracia é mais que um voto. A política é, talvez acima de qualquer outra coisa, uma relação que mantemos connosco e com os outros. A política é, por isso, emocional, e faz falta o argumento romântico para a participação política. 

Embora isso nem sempre transpareça em discursos altamente curados e ensaiados, a política é uma coisa de muita intimidade. Não há nada mais íntimo do que descobrir ou revelar como sentimos o mundo: as nossas ideias sobre relações em sociedade, sobre o papel do indivíduo no coletivo, ou sobre as ligações que temos com o mundo natural. O pensamento de alguém sobre direitos, sobre espiritualidade, sobre autonomia, sobre ética, comunidade, paz, memória, simbolismo, enfim – sobre política – refletem as suas mais profundas crenças, desejos e preocupações. O posicionamento político de alguém, especialmente quando é partilhado sem esse rótulo, é o que de mais perto fala da sua verdade. E saber de alguém essa verdade aproxima-nos profundamente.

Na minha vida ter-me-ei apaixonado mil vezes, vezes sem conta, por pessoas que se entregaram àquilo em que acreditam, e confessaram-no claramente, quase sem querer nem dar por isso. Quantos sorrisos troquei depois, quando por fim nos olhámos pela primeira vez, alma desnuda. Apercebermo-nos do quanto nos emocionamos a debater política é o momento em que nos apaixonamos por ela e por tudo o que ela trata, que inclui os outros e a nós mesmos. Só a paixão desses momentos permite fazer política verdadeira e transformadora. Só essa paixão nos permite mobilizarmo-nos para a ação, rumo aos nossos sonhos.

Por isso, o romance não é um sub-produto do trabalho político. Pelo contrário, é fator necessário a esse trabalho. Todos os ideais que nos desenham um mundo melhor e uma sociedade mais justa são românticos por definição, fugindo à análise determinista daquilo que é e, em vez disso, arriscando imaginar o que poderia ser. Não é possível idealizar o futuro sem nutrir a esperança de que vale a pena o trabalho, e de que é possível a mudança. 

Se deixarmos de acreditar em ideais, o que defendemos? Se deixarmos de acreditar nas pessoas, por quem lutamos? Se abandonarmos o romance, que será feito dos nossos sonhos, desejos e ambições? E sem esses, que existência nos resta? A cantiga é uma arma porque nos revolta as emoções e acende as revoluções que somos. Se não vivemos profunda e constantemente apaixonados uns pelos outros, pela vida, e pelo mundo, poderemos dizer-nos vivos? 

Fazer política é apaixonante. É apaixonarmo-nos pelo mundo, e por nós mesmos como parte dele. É ver a sociedade como uma coisa linda pela qual vale a pena lutar. É partilhar essa visão com outros, e entregarmo-nos em abraços de camaradagem que nos devolvem o fôlego. É deixar que nos encha o peito a alegria de imaginar o que poderá vir a ser. 

Ser politicamente ativo é um ato de amor. 

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.
Texto de Natércia Rodrigues Lopes

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Julho 2024

Tranças de resistência

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

22 Julho 2024

Incertezas e ambiguidades: a nuvem cinzenta dos crimes de incitamento ao ódio

19 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

17 Julho 2024

42: Caixas e cartas

17 Julho 2024

Mais de 1800 pessoas e entidades defendem “liberdade de escrever, de publicar e de ler”

16 Julho 2024

Assassinato de carácter: o (pré)juízo de Cláudia Simões

12 Julho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0