O mais recente disco do cantor foi editado no passado dia 28 de maio. Contando com a participação de Ana Moura, Profjam, Branko, Tristany, entre outros outrxs artistas, inclui também samples de Giacometti e Dead Combo. O álbum já se encontra disponível nas plataformas habituais.

A diversidade cultural e, por sua vez, musical é uma bagagem que Pedro Mafama explora naquele que é um dos álbuns mais aguardados em 2021. Fazendo-se acompanhar por várias figuras do panorama musical nacional, em parcerias colaborativas, salientando a produção geral do álbum, executada lado a lado com Pedro Da Linha, num sucedâneo de canções que contam com abordagens tão díspares de interpretação como de Ana Moura, em “Linda Forma de Morrer”, Profjam em “Cidade Branca”, a co-produção de Branko no tema “Algo Para a Dor”, ou ainda a viagem de “Borboletas da Noite” com Tristany , o artista abraça a contemporaneidade e resgata memórias, experiências e tradições.

O artista explica ao Gerador que a transformar de forma singular diferentes registos, colher as representações essenciais da cultura portuguesa e trazê-las para a contemporaneidade são, justamente, foi o objetivo de todo o seu trabalho neste álbum "o disco usa essa forma de pensar durante todas as treze músicas e é uma forma de pegar naquilo que me interessa, na nossa cultura, e aquilo que eu acho que nos pode ensinar alguma coisa acerca do futuro; as sonoridades que eu sinto que falam alguma coisa acerca de nós mesmos e sobre o mundo."

“Por Este Rio Abaixo” inclui igualmente samples de Michel Giacometti e de Dead Combo, bem como produções e co-produções de Beatoven, Franklin Beats, Pedro O Mau e Pedro Ferreira. A guitarra portuguesa de Ângelo Freire e os teclados de Monksmith são também parte integrante deste trabalho. 

Partindo da escolha de "pessoas que servissem as músicas", o artista recorda que "todas as pessoas foram convidadas porque a música estava a chamar por elas... a Cidade Branca pedia o Mário, o Prof; Borboletas à Noite pedia o Tristany e "Linda forma de Morrer" que foi feita com a Ana ao meu lado, no Alentejo, por isso, pedia também a participação dela. O Branco também entrou, produzindo o "Algo para a Dor" porque ele também tem muito a dizer sobre essa mistura de ritmos mais folclóricos e mais portugueses com os ritmos africanos. É uma pessoa que inaugurou um bocadinho ou que fez muito para que eu tivesse agora a oportunidade de fazer isto, ou seja, fez muitas ligações que me fizeram a mim juntar dois mais dois e chegar a este resultado, também."

Distinguindo-se pela reflexão contínua que Pedro cria em torno do seu papel no universo musical, desde a preocupação com a performance, a escolha do design , o videoclipe, os espaços até as sonoridades, o artista reconhece ainda que "tudo aquilo que eu faço é como se fosse uma canção. Sinto que tudo comunica e é uma hipótese de nos expressarmos. Gosto muito de usar diferentes símbolos visuais e sonoros para criar diferentes suposições de ideias na cabeça das pessoas", completa.

Por este Rio Abaixos erá apresentado ao vivo nos próximos dias 15 e 16 de julho no Lux, em Lisboa, pelas 21h00. Ambas as datas já se encontram esgotadas. O espetáculo irá contar com temas como “Contra a Maré” e “Estaleiro”, entre outras canções que compõem este primeiro registo de longa duração do músico português.

Texto de Patrícia Silva
Fotografias disponíveis na página de facebook Pedro Mafama

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.