Será certamente um ano singular para o IndieLisboa - Festival Internacional de Cinema que, depois de ter sido adiado face à pandemia de covid-19, irá acontecer de 25 de agosto a 5 de setembro no Cinema São Jorge, Culturgest, Cinema Ideal e Cinemateca Portuguesa. No total, nas duas principais secções - uma de produções nacionais e outra de filmes estrangeiros -, o festival apresenta este ano uma mostra com mais de 60 filmes em competição.

Para esse número contribui desde logo a Competição Nacional que conta, para já, com 5 longas e 17 curtas metragens. Na competição de longas, será exibida A Metamorfose dos Pássaros, primeira longa metragem de Catarina Vasconcelos e que foi exibida este ano na Berlinale; O Fim do Mundo, de Basil da Cunha, seleccionada para o festival de Locarno 2019, além das estreias mundiais de Ana e Maurizio, de Catarina Mourão e Entre Leiras, de Cláudia Ribeiro, e da ficção A Arte de Morrer Longe, de Júlio Alves.

Na competição de curtas, destaque para O Cordeiro de Deus, de David Pinheiro Vicente, seleccionado pelo Festival de Cannes 2020, A Mordida, de Pedro Neves Marques, estreado no Festival de Toronto do ano passado; Bustarenga, de Ana Maria Gomes, e as estreias mundiais de Corte, de Afonso e Bernardo Rapazote, Errar a Noite, de Flávio Gonçalves e Mesa, de João Fazenda, num conjunto muito grande de vozes emergentes.

Já a secção Novíssimos, que apresenta obras de jovens cineastas que estão a dar os seus primeiros passos, traz o filme La Leyenda Negra, de Patricia Vidal Delgado, primeira longa metragem de uma realizadora portuguesa a ser exibida no festival de Sundance, em 2020, além de 13 curtas metragens de novas vozes do contexto cinematográfico do país, como Gonçalo Pina, com À Tarde, Sob o Sol, João Gonzalez com Nestor, Camila Vale com Selvajaria, entre muitos outros.

Competição Internacional que "cruza fronteiras"
Numa "programação transversal que cruza fronteiras, aproxima culturas e dá voz a movimentos que vêm marcando a história", a Competição Internacional do IndieLisboa é composta este ano por 12 longas e 31 curtas metragens, onde se destaca uma forte presença africana.

Nesse âmbito, destaque desde logo para seleção dos filmes Nafi’s father, do senegalês Mamadou Dia, e This Is My Desire, dos nigerianos Arie Esiri e Chuko Esiri. Na competição estão ainda o documentário L’Île aux oiseaux, dos luso-suíços Maia Kosa e Sérgio da Costa, que esteve em competição em 2019 nos festivais de San Sebastian (Espanha) e Locarno (Suíça), e Si yo fuera el invierno mismo, filme da argentina Jazmin Lopez com direção de fotografia de Rui Poças.

Na competição de curtas, destaque para o francês Tendre, de Isabel Pagliai, e um conjunto de jovens autores dos quais Adinah Dancyger (Moving), o Déjeuner sur l’herbe, de Jocelyn Charles, Jules Bourges, Nathan Harbonn Viaud e Pierre Rougemont, ou Os Últimos Românticos do Mundo, de Henrique Arruda, que estreou no último festival de Tiradentes já em 2020 e constitui mais uma das fortes apostas deste festival.

Já na secção Silvestre foram incluídos, entre outros, Jeanne, de Bruno Dumont, que mereceu uma menção especial em 2019 no festival de Cannes, o documentário State Funeral, de Sergei Loznitsa, e Uppercase Print, de Radu Jude. A eles junta-se ainda o filme experimental Ouvertures, do The Living and the Dead Ensemble, um coletivo formado em 2017 por vários artistas oriundos do Haiti, França e Reino Unido. O filme foi apresentado este ano em Berlim.

A abertura do festival está marcada para o dia 25, às 19h00, na sala Manoel de Oliveira do Cinema São Jorge, com La Femme de Mon Frere, a estreia na realização de Monia Chokri. A organização já tinha anunciado algumas novidades da programação, nomeadamente uma retrospetiva de toda a obra do realizador senegalês Ousmane Sembène, uma homenagem aos 50 anos da secção Fórum da Berlinale e um ciclo dedicado à realizadora franco-senegalesa Mati Diop.

Sessões de cinema ao ar livre e encontros online promovidos pela LisbonTalks
Ao contrário de outros anos, esta edição do IndieLisboa contará com sessões de cinema ao ar livre, acrescentando às salas habituais do festival o Cineteatro Capitólio, onde será possível ver cinema numa tela com o céu como plano de fundo. O mesmo irá suceder com a esplanada da Cinemateca, onde haverá sessões quase todas as noites.

Também para o online se transportará os encontros promovidos pelas LisbonTalks e pelas actividades de indústria do festival. Ancoradas sempre num tema único, as LisbonTalks são este ano dedicadas aos actores e à representação no audiovisual nacional.

Em quatro conversas de streaming gratuito programadas ao longo das datas do festival procurar-se-á tomar o pulso a uma classe profissional profundamente fértil e numerosa para dar tempo de antena a preocupações da sua prática laboral como sejam as questões de empregabilidade e o almejado estatuto do intermitente, bem como debater o papel interno do audiovisual português numa mudança de paradigma em mais e melhor representatividade, entre outras questões.

Destaque ainda para a única conversa a ter lugar presencialmente, no dia 27 de Agosto na esplanada da Cinemateca Portuguesa e em parceria com o Goethe-Institut Lisboa, intitulada Forum 50 & Ousmane Sembène: o cinema como forma de reflexão e acção política.

Já nas actividades direccionadas exclusivamente a profissionais, anuncia-se a programação das Lisbon Screenings, sessões onde são apresentados novos filmes portugueses terminados ou ainda por terminar à procura de uma estreia mundial ou internacional. Destaque para as novas longas metragens de Cláudia Alves, João Botelho, Júlio Alves e Sérgio Tréfaut, e as novas curtas metragens de Clara Jost, Ico Costa, Laura Carreira, Tomás Paula Marques, entre outros. As Lisbon Screenings são uma organização da Portugal Film – Agência Internacional de Cinema Português e que decorrem durante o IndieLisboa.

Toda a programação poderá ser consultada aqui a partir de hoje (dia 28). E os bilhetes já podem ser comprados na Ticketline ou nas bilheteiras físicas do festival.

Texto de Ricardo Ramos Gonçalves
Fotografia de Denise Jans via Unsplash

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.