O novo filme de Joaquim Pavão — Sculp — vai ser rodado em Santo Tirso, a partir do dia 20 de março. A Fábrica de Santo Thyrso e o Parque Urbano Sara Moreira são os locais escolhidos para as primeiras filmagens, que decorrem até ao dia 29 deste mês. Através das esculturas do Museu Internacional de Escultura Contemporânea, Joaquim Pavão vai explorar as pedras basilares da vida, numa narrativa em que “a escultura é o corpo” e “o corpo é a escultura”. 

Nascer, comer, brincar, construir, contemplar, procriar e morrer são os sete quadros através dos quais o cineasta vai trazer para a tela a representação de sonhos, liberdades e pensamentos “de uma personagem que habita um mundo onde todas as escolhas são facilitadas por algoritmos”. Em Sculp, Joaquim Pavão pretende abordar a realidade com “uma visão de um possível futuro” que dê o mote para a interrogação. 

A banda sonora do filme fica a cargo de Óscar Flecha, um dos mentores do Festival Internacional de Guitarra de Santo Tirso.“O filme começa na música. É a base. É ela que cria os espaços, o tamanho, a atmosfera”, afirma Joaquim Pavão no comunicado de imprensa. 

O Museu Internacional de Escultura Contemporânea é composto desde os anos 90 por 55 esculturas dispersas por seis sítios diferentes na cidade, graças a uma proposta do escultor Alberto Carneiro feita ao então presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto. Pedro Cabrita Reis, fernanda Fragateiro, Júlio Le Parc, Fernando Casás, Carlos Criz Diez e Paul Van Hoeydonck são alguns dos autores das esculturas que habitam as ruas de Santo Tirso.

Joaquim Pavão foi recentemente premiado em Nova Iorque com o filme Antes que a noite venha — Falas de Antígona. Podes recordar esta notícia, aqui

Texto de Carolina Franco
Fotografia de Câmara Municipal de Santo Tirso

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.