"Conhecimento", "recapitulação" e "convívio". Estas são as três palavras a que André Afonso, um dos principais representantes de Soundbooking, recorre para explicar aquele que é o primeiro Encontro Anual de Técnicos de Som e Iluminação em Portugal. O evento decorrerá no dia 22 de maio, pelas 14h, no Hard Club, no Porto, e conta com a participação de todos aquelxs que são alunxs, curiosxs, entusiastas ou interessados no setor.

O encontro terá inicio pelas 14h e conta com um workshop de montagem e calibração de Sistemas de Som, uma apresentação dos produtos mais recentes da PioneerDJ, um workshop de Som ao Vivo com banda, e um concerto que irá marcar o encerramento das atividades do dia seguindo-se com um jantar convívio no restaurante do Hard Club.

A empresa Soundbooking dedica-se à formação de mais de 150 técnicos desde a sua a sua fundação, em 2018, e tem contribuído procurado responder não só à adaptação e à partilha de conteúdos técnicos mais vastos , como também combater a falta de staff técnico do setor audiovisual.

Desenvolver as qualidades e competências dxs técnicxs de Som e Iluminação em Portugal é a sua missão. Como tal, o Gerador esteve à conversa com André para perceber em que consistirá esta primeira edição do Encontro Anual. Seguiram-se preocupações como o estado do sector em Portugal e o que estará por vir num dos momentos que se mostra como "dos mais importantes" para o sector audiovisual.

Fotografia da cortesia da Soundbooking

Gerador (G.) - Falar em "primeiro Encontro Anual" é também falar num momento de iniciação e de (re)começo para a Soundbooking. Como é que surge esta ideia de criar um espaço dedicado a toda a partilha de conhecimentos e experiências quer como técnicos profissionais quer como formadores?

André Afonso (A.A.) -  O contexto para este evento surgiu por alguma necessidade, ou seja, no ano passado tivemos o problema da pandemia a partir de fevereiro, apesar de darmos formação desde 2018, e estivemos fechados durante pouquíssimo tempo, isto é, apenas entre meio de março e meio abril, quando retomamos. Acontece que estivemos a dar formação durante este tempo todo. Continuamos a formar gente, mas fomo-nos percebendo de que as pessoas que íamos formando não estavam a ter trabalho, isto porque não há. São poucos os números de espetáculos e, por isso, foram também poucos os técnicos que tiveram a oportunidade de "pôr a mão na massa" e executar aquilo que aprenderam connosco. Desta forma, nós chegamos à ideia de fazer um workshop geral, de grandes dimensões, no Hard Club, para fazer uma espécie de recapitulação de todas as matérias juntamente com um concerto e workshops, nomeadamente, Som ao Vivo e Sistemas. Decidimos assim criar uma oportunidade para que possamos estar com os nossos alunos, todos juntos, elevar também o "patamar" e fazer um  primeiro encontro oficial da nossa empresa, dos alunos tanto do Porto como de Lisboa e, além das workshops, fazer também um grande convívio entre todos, que aproveito para dizer que foi muitíssimo bem aceite.

Fotografia da cortesia da Soundbooking

G. - É importante perceber que este é também um ponto de viragem depois de meses em confinamento para todos os profissionais da Cultura e não só. É possível dizer que era algo que as pessoas aguardavam há muito tempo?

A.A. - Sim, sem dúvida. Aliás estamos muito ansiosos até porque a adesão está a ser enorme. Todas as pessoas querem ir e isso também acontece porque já não têm, há muito tempo, um momento de convívio como este que vamos ter. Admito que a ansiedade é enorme. Os nossos alunos estão inscritos em força, inclusive, vão trazer acompanhantes, uma vez que abrimos alguns lugar para o público geral, gratuitos.

G.- Ainda nessa ótica de receberem também pessoas além dxs alunxs, é vosso objetivo abrir portas aos interessados para que possam ter uma maior noção e contacto com os equipamentos e com a comunidade?

A.A - Sim, exatamente. Nós, no Hard Club, vamos fazer o evento na sala um, que é a sala principal. Temos um limite de 200 pessoas sentadas com distanciamento devido às atuais medidas em vigor, ou seja, com segurança. Desta forma, calculamos que entre todos os alunos, de número elevado, e ainda o nosso staff técnico seria possível disponibilizar cerca de 50 lugares para pessoas externas às nossas escolas, mas que sejam curiosos ou entusiastas do nosso setor e daquilo que fazemos e, por isso, resolvemos disponibilizar lugares para todos aqueles que se quiserem inscrever, que na verdade já estão quase completos.

G.- Voltando-nos para o Programa, em que consistirá?

A.A. - O programa começa com a abertura às 14 horas, no sábado, dia 22 de maio. Fazemos a recepção aos convidados, em que vamos distribuir uma oferta a cada um deles. Por volta das 14h30 começa o primeiro workshop que corresponde a Montagem e Calibração de Sistemas de Som MeyerSound, uma das cinco maiores marcas de Sound System do mundo que é também a marca que nos patrocina, com o nosso professor Nuno Coelho, um dos melhores calibradores de Portugal. Vamos levantar um PA, ou seja, um sistema de som dentro do Hard Club e vamos fazer a calibração desse sistema. Destacamos este whorkshop porque esta é uma das principais matérias que ensinamos na nossa formação: "Como é que se calibra e programa sistemas de som modernos?" Depois, vamos ter um segundo momento, anunciado agora, que é uma apresentação do produto mais recente da Pioneer DJ, uma marca muito famosa. O produto é o CDJ300. Esta apresentação será realizada por mim, na qual vou apresentar as caraterísticas e funcionalidades de um produto esperado há bastantes anos e que está a causar muito impacto no setor dos audiovisuais e dos DJs. Depois de uma pequena pausa iniciamos o workshop de Som ao Vivo. Vamos receber uma banda em palco e fazer o processamento da banda. Aproveito também para salientar que no primeiro workshop, o professor está também a fazer uma apresentação em simultâneo com a calibração e a demonstração.

Fotografia da cortesia da Soundbooking

Em relação ao workshop de Som ao Vivo, vamos processar a banda como se estivéssemos a fazer um concerto. Vamos receber a banda, montar os instrumentos musicais, começar a microfonia, fazer o check sound e será então feito um concerto de cinco ou seis músicas, ainda no Hard Club. Contamos com a iluminação desenhada pelo nosso professor durante o concerto, André Silva ,um dos maiores e melhores iluminadores do país. Ele faz os concertos 360º na região entre muitas outras coisas notórias.

É caso para dizer que vamos ter finalmente este momento de concerto! Terminado o concerto, realizaremos um agradecimento público que conta com uma pequena cerimónia de encerramento, onde explicamos aquilo que temos feito e os próximos projetos e planos da SoundBooking. Depois deste momento de trocas de conhecimento "mais formais" prosseguimos para o jantar convívio.

G. - Numa perspetiva mais geral, a necessidade a que se refere provém de um ano intensivo de preocupações, confinamento e distanciamento social ou verificou-se uma evolução gradual no que toca à falta de contacto com os técnicos e à ausência de oportunidades?

A.A. - A realidade é que isto aconteceu única e exclusivamente por causa da pandemia. Quando iniciamos o contexto de formação e o departamento de formação, além do nosso trabalho como empresa relacionados com os festivais, concertos, apresentações de marcas e empresas, a razão principal voltava-se em torno da necessidade de técnicos. O mercado audiovisual precisa muito de técnicos. Há muita falta. Quando chegamos ao Verão, não temos staff suficiente para executar o serviço todo. Por essa mesma razão juntamo-nos com os nossos técnicos principais e resolvemos desenhar um curso de maneira a podermos formar corretamente e introduzir mais técnicos qualificados no mercado. O único motivo pelo qual os nossos alunos não estão a ter tanto trabalho deve-se ao facto do número de concertos com público ser um ou dois por cento do habitual. Isso faz com que os alunos ao invés de saírem daqui e, praticamente, começarem a trabalhar tendem a não ter tantas oportunidades. Existe alguma resistência, ainda que seja algo temporário. Ainda assim, começamos a aperceber-nos que os serviços começam a ser procurados e, por isso, estamos também confiantes para este futuro próximo.

G.- Teremos um evento com mais edições em vista? 

A.A - Certamente será feito. E com upgrades. Nós temos outras iniciativas que, devido a não conseguirmos ter tanta gente, não acontecerão nesta edição. Pretendíamos fazer um concerto maior, com um maior número de pessoas e queríamos fazer também uma cerimónia de destaque aos melhores das nossas escolas e dos nossos parceiros. São projetos que vamos deixar para as próximas edições e, desta forma, não serão apenas um espelho desta primeira. Serão outras edições com novidades. Podemos adiantar que a próxima (2022) não acontecerá neste mês (maio), mas sim em janeiro, isto porque a edição deste ano, inicialmente, decorria em janeiro. No entanto, não aconteceu porque foi decretada a impossibilidade de fazermos eventos, ainda que com um ambiente controlado. Por essa razão adiámos. A próxima será em janeiro e isso está confirmado.

Texto de Patrícia Silva
Fotografia via Unsplash

Se queres ler mais entrevistas sobre a cultura em Portugal, clica aqui.