Ao longo de dez dias, entre 1 e 11 de outubro, Paula Diogo apresenta o seu mais recente projeto no Teatro Nacional D. Maria II – o espetáculo percurso “Terra Nullius”.

“Terra Nulluis” nasce de uma viagem da artista a Reiquejavique. Durante um ano, Paula Diogo viveu na Islândia onde desenvolveu um projeto “que tentava capturar uma “experiência do lugar”, cruzando-a com narrativas pessoais e coletivas”, e utilizando como procedimento exclusivamente duas ações: caminhar e escrever, esclarece em comunicado.

Nos últimos dois anos, a artista iniciou a transição do projeto “Terra Nullius” para Portugal, chegando agora ao Teatro Nacional D.Maria II, onde ocupará “a geografia urbana da cidade e o espaço virtual de discussão e pensamento”, afirma a organização.

Terra Nullius fora um termo criado pela lei internacional para definir territórios que não pertenciam a ninguém e por isso podiam ser ocupados. Nos dias de hoje ainda existem territórios Terra Nullius como: Bir Tawill, a Antártida, o mar internacional e a Lua.

Paula Diogo foi co-fundadora do Teatro Praga (1995-08), da TRUTA (2003-10) e da produtora O Pato Profissional Lda (2003-10), onde trabalhou como criadora e coordenadora de produção. Em 2004 foi distinguida pelo CPAI com o Prémio Teatro na Década – Melhor atriz e em 2010 foi encenadora residente no NTN em Nápoles, Itália, dirigido por Antonio Latella. Continua a colaborar com diversos criadores e companhias em Portugal, França e Itália.

Os bilhetes podem ser adquiridos aqui.

Texto de Bárbara Dixe Ramos
Fotografia de Paula Diogo