fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

“Travessia”: uma reflexão sobre a identidade brasileira que reside na cidade do Porto

“Qual o sentimento aflorado quando se perde um determinado espaço geográfico e humano (relação do…

Texto de Sofia Craveiro

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

“Qual o sentimento aflorado quando se perde um determinado espaço geográfico e humano (relação do lugar de origem e pertença)? Porque é a expropriação um motivo de dor? Como tomar a condição de imigrante como fratura, como uma impossibilidade de alcançar algo?”

Estas são as perguntas que serviram de ponto de partida ao “espectáculo-percurso” de Pedro Vilela, que estará em cena entre 8 e 11 de julho na Quinta do Covelo, no Porto.

Sob o nome “Travessia” a obra dá continuidade à linha de projetos de território e reflexão sobre a “Cidade Invicta” que André Braga e Cláudia Figueiredo têm desenvolvido.

Com encenação e dramaturgia de Pedro Vilela, este novo projeto parte de um encontro com pessoas de nacionalidade brasileira a residir no Porto para “repensar a noção de identidade”, segundo comunicado enviado ao Gerador. O espetáculo é o resultado de conversas com cerca de 50 pessoas, que culminou na reunião de narrativas e testemunhos sobre a condição de imigrante em Portugal.

O espectador é convidado a mergulhar em quatro travessias “intercalando depoimentos pessoais reunidos nas entrevistas e dos performers, procurando traçar diferentes caminhos capazes de revelar o que está oculto nas teias da memória desta tensa relação histórica entre Brasil e Portugal”.

“Travessia é um espectáculo-percurso que visa repensar a noção de identidade, este produto nunca acabado e fruto de um contrastante processo que dá acesso a diferentes imagens da totalidade. Afinal, desconstruir, tal como nos diz Derrida, é justamente revelar as relações de força e poder que estão por detrás da tentativa de construção de raízes únicas”, de acordo com a mesma nota.

Com direção de Pedro Vilela e dramaturgia de Cláudia Figueiredo apoiada por Gonçalo Mota, a peça é co-criada e interpretada por Andrezza Alves, Marcondes Lima, Thaís Guimarães e Vinicius Massucato, sendo promovida pela CRL- Central Eléctrica.

O espetáculo insere-se na programação do Cultura em Expansão, projeto criado pela Câmara Municipal do Porto, que promove anualmente diferentes iniciativas culturais e artísticas em diferentes espaços da cidade.

Local: Quinta do Covelo, Porto
Horário: 19h
Preço: Gratuito (com lotação limitada, sendo obrigatório o levantamente de bilhete no local (máximo de dois por pessoa)

Fotografia de Thiago Liberdade
Se queres ler mais notas de agenda clica aqui.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

14 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

12 Junho 2024

Haris Pašović: “Não acredito que a arte deva estar desligada da realidade”

11 Junho 2024

Prémio Fundações vai dar 50 mil euros a projetos de arte, ciência, cidadania e solidariedade

10 Junho 2024

Matilde Travassos: “A intuição é a minha única verdade”

7 Junho 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

31 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

24 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

17 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

15 Maio 2024

No IndieLisboa 2024 o “olhar atento e urgente sobre o mundo” ecoa em todos os filmes

10 Maio 2024

Tempos Livres. Iniciativas culturais pelo país que vale a pena espreitar

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0