[fusion_text]A Rádio Gerador é a nova voz do Gerador. Todos os meses, na última noite do mês, emitimos um programa de rádio, resultado de uma conversa à mesa com convidados de honra.

Na edição deste mês conversámos com a Aida Tavares, directora artistica do São Luiz Teatro Municipal, com o Bruno Humberto do Limiar na Zaratan e wrongwrong.net, com o Pedro Alves do Teatro Mosca de Sintra e ainda com o Bruno Cochat, bailarino coreógrafo, professor, produtor e programador. O mote da conversa? Como programar uma sala de espectáculos?

Como sempre, no final, deixamos-te com mais um capítulo do nosso romance colectivo Modernista Tradicionalista, que sai directamente da Revista Gerador para a voz de 10 actores portugueses bem conhecidos de todos. Desta vez, falamos do capítulo da escritora Gabriela Ruivo Trindade, aqui interpretado pela actriz Ana Guiomar.[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

“Os públicos são muitos e vastos. O São Luiz tem uma programação bastante ecléctica, fazemos todas as áreas das artes performativas.”

“Tens de perceber o mapa da cidade onde te inseres, do ponto de vista da oferta cultural. É o primeiro acto em que eu penso: o sítio onde estou. E depois olhar para os meus pares, no sentido institucional. Isto exige que nos sentemos todos e conversemos sobre isto.”

“Os artistas portugueses têm uma enorme capacidade. Devem ser optimistas e continuar a trabalhar.”

Aida Tavares[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

“Como criador, conheço imensas pessoas de várias áreas. Nas artes plásticas, na dança, na escrita. E vi que os tempos de criação são muito diferentes dos tempos de programação. Por exemplo, um coreógrafo tem num ano, uma ou duas produções, em determinado espaço mas tem outras ideias a marinar. É bom haver espaços de experimentação e de partilha.”

“Um programador deve ser um curioso. A programação é, em si, um objecto que ele tem de esculpir, mas para isso precisa de estar atento ao que se está a passar.”

“O meu desejo é que as cidades, o poder local e o ministério da cultura tenham uma política articulada para que haja uma dinâmica diferente. Lisboa está a tornar-se num parque de diversões. E devia ser um parque de fruição, com ideias a circularem.”

Bruno Humberto[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

“No outro dia perguntaram-me como se pode criar público. Eu disse-lhe: a melhor maneira é procriares, ter filhos, não há outra maneira de criar público.”

“Associamos o Cacém a um dormitório. Uma pessoa pensa que a malta no Cacém dorme lá num casulo, acorda zombie, metem-se nos comboios, desaparecem, e o Cacém morre. É altamente errado. É uma das imagens que associamos à periferia.”

“Programador nenhum vai a Sintra ver os nossos espectáculos. Onde está a periferia? Está em Lisboa, porque não vem ao meu centro, onde eu trabalho diariamente, onde desenvolvemos um trabalho contínuo, de risco.”

Pedro Alves[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

Se os programadores programam, é importante conseguir chegar a eles. Há programadores que não respondem. Os artistas e os programadores têm que se conhecer.”

“Eu sei de um padre que, em parceria com um festival, recomendava às pessoas, em confissão, ir assistir a um concerto.”

“As pessoas que eu reconheço que como programadores têm um trabalho mais sério e mais bem feito, não são criadores. Não quer dizer que os criadores não possam ser bons programadores.”

Bruno Cochat[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

Convidados desta conversa
Aida Tavares, São Luiz Teatro Municipal
Bruno Humberto, Do Limiar na Zaratan e wrongwrong.net
Pedro Alves, Teatro Mosca de Sintra
Bruno Cochat, Foyer

Locutor – Pedro Saavedra
Captação de Som – Jorge Cabanelas
Sonoplastia – Rui Miguel/Dizplay

Quarto Capítulo do Modernista Tradicionalista
Texto de Gabriela Ruivo Trindade
Interpretação de Ana Guiomar
Captação de som e sonoplastia Telmo Gomes
Música: Sonata No. 25, Op. 79 in G (Ludwig van Beethoven) – Complete Performed by Paavali Jumppanen
Co-produção ZOV e Gerador

[/fusion_text]