O Bons Sons, festival que pôs a aldeia de Cem Soldos, em Tomar, nas bocas de Portugal, regressa entre 13 e 16 de agosto. Além das datas da 11ª edição a organização do festival deu a conhecer o novo diretor artístico, Miguel Atalaia, que sucede a Luís Ferreira, fundador e diretor artístico do Bons Sons desde 2006. 

“Este ano, dá-se início ao terceiro ciclo na vida do Bons Sons e é altura de dar lugar a uma nova geração de pessoas que cresceu com o festival e é também o resultado do trabalho de formação e capacitação realizado ao longo dos anos”, começam por dizer no comunicado. 

Miguel Atalaia integra a equipa desde 2014 – o “início do segundo ciclo” – e desempenha funções de designer, membro da equipa de comunicação e responsável pelas atividades que envolvem a comunidade de Cem Soldos. O novo diretor artístico do festival é também membro da direção do SOCS – Sport Club Operário de Cem Soldos, a associação responsável pela organização do Bons Sons, da qual é agora, também, presidente. 

Com um total de 33.800 visitantes, mais de 50 concertos e cerca de 80 espetáculos e atividades paralelas, a 10ª edição do Bons Sons contou com concertos de diversos artistas portugueses distribuídos entre os palcos da aldeia. Sallim, Tiago Bettencourt, Pedro Mafama, Dino D’Santiago, Sopa de Pedra e Diabo na Cruz foram alguns dos artistas a dar música a Cem Soldos durante dias que não re repetem, mas que podes rever nas quatro reportagens diárias do Gerador ( #1, #2, #3 e #4). 

“Inicia-se, assim, uma nova fase no BONS SONS, com novas ideias, novas orientações, novas gerações, novas lideranças, mas também com a mesma lógica de pensamento e continuidade, o mesmo empenho, o mesmo amor, o mesmo sentimento de partilha com artistas, parceiros e visitantes, a mesma vontade de inovar em cada edição, o mesmo foco na capacitação e formação, o mesmo e incrível espírito de comunidade e de intergeracionalidade, na mesma aldeia em manifesto de sempre”, continua a organização no comunicado. 

Para eternizar as 10 edições celebradas em 2019 foi editado um livro, produzido em parceria com as Edições Escafandro, com um percurso do festival e um retrato dos artistas que por lá foram passando. Bons Sons X 10: Uma Aldeia em Manifesto inclui textos de Rita Nabais, Nuno Matos Valente e João Neves, e ilustrações de Ângela Vieira, Joana Ray, Nuno Saraiva, Pedro Brito e Silvia Belli. Enconta-se à venda por 12,50€ no site da Escafandro, na sede do SOCS e em algumas livrarias. 

Os bilhetes para o Bons Sons 2020 já se encontram à venda nos locais habituais e, conforme é habitual, com um preço reduzido. Até março o passe geral pode ser adquirido por 35€, entre abril e julho por 45€ e em agosto por 50€. Já o bilhete diário pode ser comprado entre abril e agosto por 25€.

Texto de Carolina Franco
Fotografia de ©Vera Marmelo

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.