A exposição que reúne esculturas de artistas contemporâneos e obras da coleção de gessos da Faculdade de Belas-Artes de Lisboa estará em exibição até dia 25 de janeiro, no Calouste Gulbenkian.

Do Gesso ao Digital, a Esculturas Infinitas analisa a importância da técnica da moldagem nas práticas artísticas atuais e explora as suas infinitas possibilidades de construção.

Contando com as obras de 18 artistas contemporâneos, a exposição apresenta diversos métodos e materiais que remetem “à escultura raramente é única: uma das suas características intrínsecas é a multiplicidade. Os gessos permitem perpetuar momentos especiais – o crescimento de uma criança, o rosto de um defunto, um edifício importante –, mas também podem ser usados para reproduzir objetos de uso quotidiano, como casas ou utensílios domésticos”, lê-se na sinopse.

A exposição foi apresentada na Beaux-Arts de Paris, reunindo estas obras contemporâneas e uma seleção de gessos de várias instituições francesas.

Local: Museu Calouste Gulbenkian, Lisboa;

Data e hora: até dia 25 de janeiro, entre as 10horas e as 18horas;

Entrada: gratuita, sujeita à lotação do espaço (50 visitantes).

Fotografia de Pedro Pina