fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Feira do Livro de Lisboa vai ser mais sustentável

Pelo terceiro ano consecutivo o certame vai decorrer após o verão, entre 25 de agosto e 11 de setembro

Texto de Redação

Fotografia de Kate Bezzubets via Unsplash

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A Feira do Livro de Lisboa será “a maior de sempre” e aquela onde haverá uma maior preocupação com a sustentabilidade.

De acordo com a informação divulgada pela organização, haverá 140 participantes - mais dez do que em 2021 - e 340 pavilhões, sendo esperados mais de meio milhão de visitantes no Parque Eduardo VII.

Nesta edição pretende-se levar a cabo práticas mais sustentáveis, motivo pelo qual os editores e livreiros terão novos 'stands' feitos com materiais recicláveis e construídos em módulos, facilitando a montagem e desmontagem.

O objetivo de responsabilidade ambiental passa também pela melhoria nas acessibilidades e na mobilidade, a pensar na experiência dos visitantes no recinto.

Pelo terceiro ano consecutivo o certame vai decorrer após o verão, entre 25 de agosto e 11 de setembro. Com o fim das restrições impostas durante a pandemia, a explicação desta escolha recai no novo conceito do evento, com novos 'stands' e uma reorganização do espaço, que obrigou "a um esforço de produção logístico extraordinariamente complexo", segundo descrito pelo presidente da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros (APEL), Pedro Sobral. No próximo ano, a previsão é que a feira regresse às datas habituais, entre maio e junho.

A par com a venda de livros, o evento conta com um “programa cultural vastíssimo, com mais apresentações, mais conversas", mais autores portugueses e estrangeiros, e espaço para o "contacto informal" entre escritores e leitores.

Nesta edição, uma das novidades é o destaque que será dado à Ucrânia como país convidado. O convite partiu da APEL junto da embaixada ucraniana, "para dar espaço a um país em sofrimento".

Pedro Sobral explicou que será disponibilizado um expositor da feira à Ucrânia, para "potenciar a literatura e os autores ucranianos", mas o formato de apresentação e programação ainda não está definido.

Além disso, estarão disponíveis os habituais espaços de descanso, lazer e refeição.

A organização afirma ainda que pretende "melhorar a experiência dos visitantes", tendo em conta o que, no ano passado, verificaram um aumento de visitantes mais jovens. "Estamos a ganhar leitores nas camadas mais novas”, acrescentou Pedro Sobral.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

16 Setembro 2022

Dia Mundial da Preservação da Camada de Ozono: Zero pede “soluções robustas”

22 Agosto 2022

Pobreza energética: um histórico calvário endémico que continuamos a não saber combater

3 Agosto 2022

Todas as bacias hidrográficas registaram descidas da água armazenada

22 Julho 2022

‘Simplex’ ambiental é um “retrocesso de décadas”, segundo a Zero

9 Junho 2022

Exposição “Água e Sustentabilidade” patente no Reservatório da Patriarcal

6 Junho 2022

Ana Pêgo: “É urgente perdermos a mania do descartável”

30 Maio 2022

Vítor Hugo Gonçalves: “O plástico ainda é o material mais sustentável. O problema está no fim do ciclo do produto”

28 Maio 2022

Paulo Vieira de Castro: “A ecoansiedade é um medo crónico, de perda da natureza”

26 Maio 2022

Estudo sobre pesticidas em maçãs e peras é “alarmista”, diz Governo

25 Maio 2022

Maçãs e peras portuguesas entre as frutas com maior percentagem de pesticidas perigosos

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0