fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Como visitar um museu?

A Rádio Gerador é a voz do Gerador. Todos os meses, na última noite do…

Texto de Andreia Monteiro

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A Rádio Gerador é a voz do Gerador. Todos os meses, na última noite do mês, emitimos um programa de rádio, resultado de uma conversa à mesa com convidados de honra.

Na edição deste mês conversámos com Paulo Cuiça, Coordenador do Serviço Educativo do Museu da Cidade, Inês Machado, Coordenadora na Galeria de Arte Urbana, Luís Cangueiro, Coleccionador do Museu da Música Mecânica, e Adelaide Lopes, do Serviço de Educação do Museu Nacional de Arte Antiga.[/fusion_text][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][imageframe lightbox="no" gallery_id="" lightbox_image="" style_type="none" hover_type="none" bordercolor="" bordersize="0px" borderradius="0" stylecolor="" align="none" link="" linktarget="_self" animation_type="0" animation_direction="down" animation_speed="0.1" animation_offset="" hide_on_mobile="no" class="" id=""] [/imageframe][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][fusion_text]“Há muitos mitos urbanos [em Lisboa]: que havia túneis da Baixa até ao Marquês de Pombal, que o Martim Moniz ficou entalado na porta porque decidiu, sozinho, combater os mouros todos! Tantos mitos! […] Muitas vezes estes mitos ultrapassam aquilo que é a própria história das coisas.”

“Quase todos os museus começam como o Museu de Música Mecânica. São colecções privadas que são doadas.”

“Nós no museu, sentimos esta necessidade de trazer os miúdos para a rua. Muitas das nossas actividades já põem os miúdos na rua.”

“Os museus de pedra – estáticos – são cada vez menos interessantes.”

Paulo Cuiça, Coordenador do Serviço Educativo do Museu da Cidade[/fusion_text][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][imageframe lightbox="no" gallery_id="" lightbox_image="" style_type="none" hover_type="none" bordercolor="" bordersize="0px" borderradius="0" stylecolor="" align="none" link="" linktarget="_self" animation_type="0" animation_direction="down" animation_speed="0.1" animation_offset="" hide_on_mobile="no" class="" id=""] [/imageframe][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][fusion_text]“Em determinadas zonas da cidade, temos tentado constituir, conjuntos e núcleos de arte urbana que façam com que façam com que tenhamos uma galeria a céu aberto.”

“Não faz parte da nossa estratégia recuperar peças ou preservá-las porque assumimos que a arte urbana é efémera. É mesmo isso que marca o [nosso] discurso e que se opõe às peças com história que foram feitas e que estão dentro de espaços específicos que foram vivenciadas por personagens da nossa história e da nossa memória.”

“Ao contrário das peças do museu que estão protegidas e conservadas, estas [de arte urbana] estão ‘abandonadas’ na rua. Muitos artistas falam disto, no que é que é dar à luz uma fachada, fazer uma peça na rua e a partir do momento em que a fazem, logo no segundo a seguir, ela fica abandonada. Até é um sentimento de desapego.”

Inês Machado, Coordenadora na Galeria de Arte Urbana[/fusion_text][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][imageframe lightbox="no" gallery_id="" lightbox_image="" style_type="none" hover_type="none" bordercolor="" bordersize="0px" borderradius="0" stylecolor="" align="none" link="" linktarget="_self" animation_type="0" animation_direction="down" animation_speed="0.1" animation_offset="" hide_on_mobile="no" class="" id=""] [/imageframe][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][fusion_text]“Aquele museu [da Música Mecânica] é um museu familiar. […] Estabelece-se ali uma empatia muito grande entre o coleccionador e os colaboradores que ali estão. As pessoas ficam com pele de galinha quando ouvem aqueles sons e quantas pessoas eu vejo a caírem-lhe as lágrimas dos olhos ao ouvirem aquelas melodias que têm 200 ou 150 anos. Sentem nostalgia quando pensam que aquelas peças já deliciaram tantas gerações.”

“Uma pessoa começa a colecionar e perdi a cabeça, pronto! Eu desconhecia e comecei a descobrir uma coisa que não imaginava que existia. Em todas as visitas do museu, uma grande quantidade de peças [do museu] tocam ao vivo e isso é meritório porque as pessoas sentem exactamente os sons que há 100 anos se ouviam.”

“Eu achei que a colecção tinha interesse porque era a única forma que as pessoas tinham de ouvir música, nesses tempos.”

Luís Cangueiro, Coleccionador do Museu da Música Mecânica[/fusion_text][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][imageframe lightbox="no" gallery_id="" lightbox_image="" style_type="none" hover_type="none" bordercolor="" bordersize="0px" borderradius="0" stylecolor="" align="none" link="" linktarget="_self" animation_type="0" animation_direction="down" animation_speed="0.1" animation_offset="" hide_on_mobile="no" class="" id=""] [/imageframe][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][fusion_text]“A curiosidade é uma coisa que trespassa gerações e idades. A curiosidade é um motor. É um estímulo para qualquer pessoa.”

“A doação ou o legado são importantes até aos dias de hoje porque eles permitem ir não só completando mas também diversificando. Por exemplo, o Sr. Calouste Gulbenkian fez uma doação ao museu – Estado Português - que foi importante para dar uma outra perspectiva e acrescentar naquilo que ele achava que era importante um museu nacional poder ter.”

“[Há] visitantes estrangeiros que chegam ao museu para verem um Hieronymus Bosch, que é uma das peças que procuram, mas depois, por inquéritos que foram feitos e pela reação das pessoas, alguns dizem que estão fascinados. Não estavam à espera de encontrar obras com aquela qualidade e que lhes falassem como falam.”

Adelaide Lopes, do Serviço de Educação do Museu Nacional de Arte Antiga[/fusion_text][separator style_type="none" top_margin="" bottom_margin="" sep_color="" border_size="" icon="" icon_circle="" icon_circle_color="" width="" alignment="" class="" id=""][fusion_text]

Convidados desta conversa:

Paulo Cuiça, Coordenador do Serviço Educativo do Museu da Cidade

Inês Machado, Coordenadora na Galeria de Arte Urbana

Luís Cangueiro, Coleccionador do Museu da Música Mecânica

Adelaide Lopes, do Serviço de Educação do Museu Nacional de Arte Antiga

Locutor - Pedro Saavedra

Captação de Som - Jorge Cabanelas

Sonoplastia - Rui Miguel/Dizplay

Fotografia – Diana Mendes

Co-produção ZOV e Gerador

 

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

22 Dezembro 2017

Modernista Tradicionalista – Capítulo 10

9 Dezembro 2017

Como fazer um grupo de teatro?

10 Novembro 2017

Modernista Tradicionalista – Capítulo 9

31 Outubro 2017

O que é um prato típico?

25 Outubro 2017

Modernista Tradicionalista – Capítulo 8

30 Setembro 2017

Como fazer uma boa canção?

26 Setembro 2017

Modernista Tradicionalista – Capítulo 7

31 Julho 2017

O que faz rir?

24 Julho 2017

Modernista Tradicionalista – Capítulo 6

12 Julho 2017

Modernista Tradicionalista – Capítulo 5

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0