De 3 a 6 de junho, o Teatro Nacional D. Maria II estreia o espetáculo "O que vamos fazer com a revolta", no Museu do Aljube. A ideia passa por repensar as novas formas de totalitarismo, nos dias de hoje.

Estar alerta não basta. O surgimento de novas formas de totalitarismo é demasiado real nos tempos que vivemos. Sabemos que a mecânica da história e do próprio mundo é terreno fértil para pessoas conscientemente sedentas de
poder. Em O que vamos fazer com a revolta, lança-se um olhar não apenas para os que dominam, mas
sobretudo para os que são dominados. Estar alerta não basta: é preciso fazer qualquer coisa com a revolta.

O espetáculo foi construído a partir de "A quinta dos animais", de George Orwell, com jovens atores, dos 14
aos 18 anos. Este está, ainda, integrado no projeto K Cena: um projeto lusófono de teatro jovem que se desenvolve no D. Maria II, no Mindelo (Cabo Verde), em Salvador da Bahia (Brasil), São Tomé e Príncipe e no Teatro Viriato, em Viseu, cada um com a sua seleção e projeto, mas todos partilhando o mesmo tema.

Local: Teatro Nacional Dona Maria II;
Horário: De quinta a sábado pelas 19h00; domingo pelas 16h00.
Preço: Não disponível.
Fotografia da cortesia da organização