[fusion_text]A Rádio Gerador é a voz do Gerador. Todos os meses, na última noite do mês, emitimos um programa de rádio, resultado de uma conversa à mesa com convidados de honra.

Na edição deste mês conversámos com Jorge Pité, Co-Fundador do Teatradançando, Beatriz Brás, Co-fundadora dos Auéééu Teatro, Roger Paulo, Co-fundador da Umbigo Companhia de Teatro e Isabel Costa dos Possessos.[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

“Eu sou da opinião de que o teatro deveria ser obrigatório nas escolas, não só para formar actores, mas essencialmente para obrigar as pessoas a relacionarem-se com o público. Porque a vida hoje em dia é feita com públicos. Nesse sentido, o teatro dá uma vantagem fantástica para enfrentar esses mesmos públicos.”

“O nascimento e o crescimento de um grupo dependem, muitas vezes, de um líder. Nós temos vários exemplos de grupos que surgiram que se não fossem os líderes, os grupos já não existiam.”

“O espetáculo tem duas partes essenciais: uma é quem produz o espetáculo, quem o apresenta, e a outra parte é quem aparece para ver esse espetáculo.”

Jorge Pité, Co-fundador do Teatradançando

[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

“O teatro tem evoluído nesse sentido, de não haver só história com princípio meio e fim.”

“O teatro tem esse poder [de mudar e influenciar a vida das pessoas], mas não sei se tem essa função, ou esse objectivo. É uma reflexão que pode ou não ter consequências naquele que vê.”

“Não penso assim o teatro, não penso “queria muito fazer quele texto ou aquela personagem”. Penso de outra maneira: “o que é que estamos aqui a dizer e o que é que nos interessa pensar?””

Beatriz Brás, Co-fundadora dos Auéééu Teatro

[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

“Hoje em dia acho que nos multiplicamos tanto em tantas coisas. A companhia em si é muito mais do que só fazer teatro ou dança. Nós temos os protocolos, as parcerias, as outras partes chatas que também contam e isso também tem de ser feito. Os actores também passaram a escrever, também passaram a encenar. Os encenadores também passaram a representar.”

“O teatro já não é só um veículo para contar histórias. É jogar, às vezes com os sentidos. É cada vez mais um jogo de exploração de outras coisas. É dar e receber também. Também outras artes começaram de uma forma e evoluíram noutros sentidos.”

“[Depois dos espetáculos] tenho algum feedback de coisas que as crianças se começaram a preocupar, ou certos assuntos de que não falavam até então e a partir daí começaram a focá-los ou a dar-lhes alguma importância.”

Roger Paulo, Co-fundador da Umbigo Companhia de Teatro

[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][imageframe lightbox=”no” gallery_id=”” lightbox_image=”” style_type=”none” hover_type=”none” bordercolor=”” bordersize=”0px” borderradius=”0″ stylecolor=”” align=”none” link=”” linktarget=”_self” animation_type=”0″ animation_direction=”down” animation_speed=”0.1″ animation_offset=”” hide_on_mobile=”no” class=”” id=””] [/imageframe][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

“Acho que cada vez mais os grupos se interessam por construir um trabalho a começar por coisas completamente diferentes.”

“Em todos os tempos há quebras de grandes narrativas e vão aparecendo outras. De facto, há aqui uma grande mudança e tem havido muito interesse da parte do espectador, de ir à procura de uma experiência e de participar no espetáculo. A performance veio abanar a lógica do teatro e o teatro influenciou-se muito.”

“[Acho que existe] uma resistência total às condições que temos, à maneira como podemos fazer, como financiamos os nossos projectos e a vontade que as pessoas têm de fazer é inacreditável.”

Isabel Costa, dos Possessos

[/fusion_text][separator style_type=”none” top_margin=”” bottom_margin=”” sep_color=”” border_size=”” icon=”” icon_circle=”” icon_circle_color=”” width=”” alignment=”” class=”” id=””][fusion_text]

Convidados desta conversa:
Jorge Pité, Co-Fundador do Teatradançando
Beatriz Brás, Co-fundadora dos Auéééu Teatro
Roger Paulo, Co-fundador da Umbigo Companhia de Teatro
Isabel Costa dos Possessos

Locutor – Pedro Saavedra
Captação de Som – Jorge Cabanelas
Sonoplastia – Rui Miguel/Dizplay
Fotografia – Beatriz Sequeira

[/fusion_text]