“Handmade: the skin I live in” é uma exposição visual de Filipa Paisano, arquiteta, que explora uma construção sem regras – aquela que surge por necessidade, sem recurso a um especialista, e cujo objectivo é colmatar rapidamente necessidades do seu morador/utilizador. A mostra está disponível de 12 a 26 de outubro, de segunda a sexta, das 10h às 18h, no Instituto Paulo Moreira, localizado no Porto.

Em “Handmade: the skin I live in”, Filipa Paisano constrói uma narrativa de imagens, contando o processo construtivo das arquiteturas ditas informais, de recurso. “Trata-se de um inventário visual das texturas, cores e materiais que compõem três bairros piscatórios nas margens dos rios Tejo e Coina”, como se pode ler em comunicado. Esta mostra tem a curadoria de Frederico Vicente e é um projeto Estação Sul e Sueste, surgindo no âmbito do mês da Arquitetura, promovido pela Ordem dos Arquitetos Secção Regional Norte.

No 26 de outubro, para fechar a exposição, haverá uma conversa sobre estas arquitecturas informais, com a presença dos FALA Atelier, do Colectivo Mel, de Paulo Moreira (responsável pelo Instituto), de Frederico Vicente (curador da exposição) e de Ana Paisano.

Local: Instituto Paulo Moreira, Rua dos Clérigos 44, 4050-204 Porto

Data e hora: 12-16 de outubro, de segunda a sexta, das 10h às 18h

Preço: entrada gratuita

Fotografia – cortesia de Frederico Vicente

Se queres saber mais sobre a agenda da cultura em Portugal, clica aqui.