A 3.ª edição desta feira de arte contemporânea especializada em desenho acontece, presencialmente, de 14 a 18 de outubro, na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa. Mas também online, na #DrawingRoomStore, onde dezoito galerias internacionais se juntam às vinte galerias do programa geral, mais dois projetos. Também a programação paralela decorrerá maioritariamente em formato digital e live.

O desenho contemporâneo português é o destaque deste ano. No espaço físico, a feira decidiu privilegiar as galerias e artistas nacionais, bem como algumas galerias espanholas pela presença da feira congénere Drawing Room Madrid. Filomena Soares, Uma Lulik, Módulo, Carlos Carvalho, Bruno Murias, Fonseca Macedo de Ponta Delgada e Kubik do Porto são exemplos de galerias que já marcavam presença na edição de Lisboa e que regressam este ano para mais uma participação. Entre os 60 artistas que integram esta mostra presencial podemos encontrar Paula Rego, Helena Almeida, Paulo Brighenti, Pedro Barateiro, Joana Pimentel, Pedro Calapez, Vasco Barata, Alexandre Conefrey, Paulo Damião, Vera Mota, Sara Bichão, Rui Horta Pereira e Paulo Lisboa.

As restantes galerias internacionais – do Brasil, Argentina, Colômbia, Inglaterra, Holanda, Itália e Espanha – terão espaço nesta edição num complemento online da feira, contribuindo desta forma para a reativação do mercado da arte contemporânea do desenho e fomentar novas oportunidades de negócio.

“Seremos a única feira de arte que poderá ser realizada este ano, pelo que todos os amantes de arte estão ansiosos por vir e nós estamos ansiosos por recebê-los”, partilha Mónica Alvarez, diretora da Drawing Rooom Lisboa, com o Gerador. “Além disso, criámos uma plataforma digital onde são exibidas as obras da feira, mais as 18 galerias internacionais que integram o projeto, totalizando mil obras de arte apresentadas.”

Artistas sem galeria ganham espaço nesta edição

Este ano, a iniciativa dará também espaço a artistas sem galeria, numa mostra coletiva também disponível para venda. A exposição “O sol de inverno: o cavalo congela a minha sombra” reúne obras de doze artistas, que refletem sobre os modos atuais de produção de imagens desenhos, nomeadamente, Adriana Proganó, Fátima Moreno, Fernando Brito, Francisca Carvalho, Gonçalo Pena, Irene Buarque, Mané Pacheco, Marco Franco, Mariana Gomes, Mattia Denisse, Pedro Henriques e Von Calhau.

“A edição deste ano, tão estranho e difícil para muitas pessoas, quer lançar um mensagem de apoio aos artistas. Por este motivo, adicionamos ao nosso habitual programa geral, onde participam vinte galerias, dois projetos site specific de artistas em início de carreira – neste caso, Guillermo de Foucault e os irmãos moçambicanos Santos e Rodrigo Mabunda – e uma exposição, comissariada por Natxo Checa, de artistas que não dispõem de galeria para os representar em Portugal”, conta a diretora.

“Além disso, um percurso pelos mupis da cidade de Lisboa, que mostra desenhos de 30 alunos finalistas de Belas Artes e Ar.co, confirma que o desenho desperta um grande interesse em jovens artistas”, acrescenta Mónica Alvarez, sobre uma nova iniciativa da Drawing Room Lisboa, com o patrocínio da Fundação PLMJ e a colaboração da Câmara Municipal de Lisboa, que traz o desenho a todos os lisboetas, convidando-os a percorrer uma rota de descoberta pelo centro da cidade.

Nesta edição manter-se-á ainda o habitual espaço editorial com uma versão digital para os lançamentos de edições e múltiplos.

Texto por Flávia Brito
Fotografias de Pauliana V. Pimentel ©

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.