Entre 17 e 25 de julho, a última peça de Tchékhov, “O Cerejal”, sobe ao palco do Teatro São Luiz. Para a encenadora Sandra Faleiro, a peça reflete a consciência de um fim próximo, espelhado na economia mundial, nas alterações climáticas, na migração, entre outras questões humanitárias e globais.

“De alguma forma, também nós sabemos que os modelos económicos e os modos de vida que mantemos terão de ser alterados, (…) que o equilíbrio do planeta se encontra ameaçado, sem que pareçam emergir soluções, necessariamente globais, que tentem reverter esta situação”, escreve a encenadora, a propósito de uma reflexão acerca do papel das artes, em especial do teatro, nesta consequência.

“O Cerejal” reforça, junto do público, a imensidão do fim, da tragédia de Tchékhov, encenada pela primeira vez em 1904 por Stanislavski. De 17 a 25 e julho, às 20h, a peça ocupa a sala Luís Miguel Cintra, do Teatro São Luiz. A sessão Acessibilidade está prevista para dia 24 de julho, e entre os dias 23 e 25, com legendagem em inglês.

Local: Teatro São Luiz, Sala Luís Miguel Cintra

Horário: 17 a 25 julho, segunda-feira a domingo às 20h

Preço: Bilhete 12€

Fotografia de Estelle Valente