fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Carta do Leitor: A distópica crise da habitação 

A Carta do Leitor de hoje chega-nos pelas mãos de Pedro Teixeira, que nos traz um paralelo entre a ficção e a realidade.

Texto de Leitor

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Numa altura em que Portugal sofre com uma série de manifestações sobre os mais importantes sectores sociais do país, quer seja a saúde ou a educação, é bom existir espaço para um retrato da crise da habitação também, e é aqui que a série “A Arquitecta” brilha. 

A série desenvolve-se na capital Norueguesa de Oslo e apesar de se tratar de uma cidade moderna num dos países mais desenvolvidos da Europa, é com algum choque que nos deparamos com a arquitectura da cidade, que é baseada sobretudo em betão, dum cinzento frio e que pode ser interpretado como uma metáfora sobre o tipo de relações sociais existentes na cidade ou a falta delas. Podemos observar um pouco de tudo isto, desde a existência de caixotes de metal que servem de intercomunicadores para um banco — onde eventualmente nos dirigimos para tentar obter um crédito para habitação — até aos drones a passear os cães na cidade e a não faltar a regra distópica, de não poder permanecer no centro da cidade cinco minutos sem consumir nada. 

Apesar da narrativa ser ficcional, temos uma visão bastante real do problema da habitação, no sentido em que também os jovens não têm possibilidade nem de arrendar nem de comprar uma casa por causa dos valores absurdos do mercado. E é no desespero desta impossibilidade que a história assume os seus momentos mais surreais. De um lado, temos a protagonista que, por falta de alternativas, se vê obrigada a viver num parque de estacionamento, do outro temos um casal de jovens que a única forma de se tornarem independentes para comprar uma casa, chega ao cúmulo de auto-infligir um golpe com uma faca, podendo a personagem em questão e no contexto da história, alegar que foi um acidente de trabalho, recebendo uma indemnização do seguro que lhes paga a dignidade que qualquer humano precisa para viver. Se o anterior episódio narra um cenário assustador, então a perspectiva futurista do realizador sobre o capitalismo, que não é tão profética quanto isso, descreve sucintamente mecanismos económicos que já existem hoje. Neste caso envolve uma oportunidade e uma armadilha ao mesmo tempo. Uma oportunidade no sentido que nos permite adiar qualquer pagamento que temos a fazer, mas com uma contrapartida, os valores acumulados irão tornar-se em dívidas que irão ser cobradas mais tarde, com valores de juros acumulados. 

No entanto, não deixa de ser interessante a suavidade ou conformismo com que a distopia se desenrola, quase como se existisse uma aceitação perfeitamente natural pelas circunstâncias, e não existisse qualquer sentimento de revolta para com o estado das coisas. O único momento emocionante ocorre apenas quando a arquitecta, trabalhando como estagiária se apercebe que o futuro do imobiliário residencial, está mesmo no aproveitamento dos estacionamentos do centro da cidade, este é no decorrer da série o pináculo do absurdo conjugado com a realidade. Embora a ideia dos parques de estacionamento deixarem de ser usados no futuro seja difícil de explicar, rimo-nos ironicamente, quando nos apercebemos que isto poderá ser uma hipótese realista para o problema da habitação. Pior que isso e pondo a cereja no topo do bolo, nada melhor do que fazer-nos acreditar que não precisamos de luz natural e por sua vez de janelas, que tudo isso é muito caro, sendo por esse motivo descartável. Quase que parece impossível que um mundo distópico, onde até pousar numa montra é de facto uma profissão, possa ter tanta coisa em comum com o atual, quando nos apercebemos que, a crise da habitação pode alterar não só a nossa noção de luxo, mas também o nosso conceito de bens de primeira necessidade.

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.

Texto de Pedro Teixeira

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

18 Abril 2024

Carta do Leitor: Cidades Híbridas: onde podemos libertar as nossas cidades interiores!

28 Março 2024

Carta do Leitor: Conversa com a minha doença autoimune

7 Março 2024

Carta do Leitor: Guia-modelo de Competências de Liderança

3 Março 2024

Carta do leitor: O profano do sagrado quotidiano

22 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Os blogs empresariais vão sofrer o  efeito Milankovitch este ano

11 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Quem quer comprar um imigrante?

4 Fevereiro 2024

Excerto manifesto anti-exames

28 Janeiro 2024

Carta do Leitor – Desconstruir a Neuronormatividade: um chapéu de cada vez 

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0