fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Texto de Leitor

Carta do Leitor: Ainda há esperança

A Carta do Leitor de hoje chega pelas mãos de Guilherme Madaleno, que reflete sobre união e democracia.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A ordem mundial liberal tem tido uma ascendente presença no mundo atual. São cada vez mais os exemplos em que a Aliança Atlântica tem tomado a dianteira do progresso. Mas se há algo que cada vez mais nos deve preocupar a todos é a pergunta ‘E depois?’.

Neste pequenino texto direi o porquê de achar que a resposta a esta pergunta é ‘Vai-se a ver e nada’. Desde a guerra na Ucrânia que o Ocidente se tem mostrado cada vez mais unido e os compromissos com os valores de liberdade têm-se tornado cada vez mais audíveis. A teoria comunista, como eu lhe chamo, tem afirmado que essa hegemonia liberal provocou a Rússia, e fez com que esta invadisse o seu vizinho. 

Primariamente uma pequena reflexão sobre o comunismo português. Tenho acompanhado de perto toda esta empenhada teoria de justificar a invasão (sei que é um tema datado, mas precisava de filosofar sobre algo) e fico com pena que estejam a dar tantos tiros nos pés. Se havia algo que a Ucrânia, a Suécia e a Finlândia estavam longe de ser era membros da NATO. Cabe-me a mim relembrar aos leitores, a ideia que os líderes comunistas utilizaram na invasão do Iraque: que era uma técnica imperialista americana, que não tinha nenhuma justificação, etc. Agora que é a Ucrânia a estar em guerra com a mãe dos neocomunismos, seja lá o que isso for, a Rússia, já não é legítimo e Zelensky deveria render-se. Todas estas narrativas partem de um pressuposto bastante interessante no meu entender, e que me leva a pensar que História do 7º ao 9º/12º anos não é suficiente: a Ucrânia é uma invenção ocidental moderna. O engraçado é lembrar a estes senhores, que a Ucrânia é a pátria-mãe, que deu origem ao Rus de Kiev e ao Rus de Moscovo. Daí que seja absolutamente ridícula a opinião que estes senhores têm.

Porém, o mundo precisa de forças calmas e confiáveis que sirvam de mediadores do conflito. Já temos uma vasta lista, desde Erdogan a Xi Jinping. Não deixa de ser engraçado é que todos estes supostos ‘mediadores’ aparecem de países que têm tido uma postura ambígua. Chegou mesmo a pôr-se a hipótese de Lula da Silva, que disse que Zelensky não poderia querer tudo. Porém esse tudo, era a integridade territorial da Ucrânia, incluindo Donbass e Crimeia, e que a Rússia saísse do território ucraniano de uma vez por todas. Cabe-me a mim, lembrar ao senhor Lula da Silva o seguinte: a integridade territorial está prevista pelo Direito Internacional (DI), e é para ser respeitada. Mas também tenho de reconhecer que a Teoria do DI de que é feito de Estados para Estados, me leva a pensar que a Ucrânia ficará em maus lençóis se não tiver o apoio ocidental.

Outra questão tem levantado muita poeira no lado Ocidental do conflito: deve ou não a Ucrânia receber F-16? Porém eu levanto outra questão, que é quando é que isso vai acontecer. Na minha visão facciosa, diga-se, será rápido. Vimos isso com o sistema Haimars, vimos isso com muitas outras coisas; os ocidentais demoraram, algumas vezes tempo de mais, mas lá deram à Ucrânia aquilo que ela precisava, e o mesmo vai acontecer com os F-16. Pois se há algo que a Ucrânia representa é uma causa justa, e como causa justa que é, deve ter todo o apoio que merece. 

A Ucrânia merece ser livre e merece viver protegida pelos mesmos sistemas que o lado ocidental possui. Pois se há algo que Zelensky e os próprios ucranianos já demonstraram é que já não confiam na Rússia.

A resposta à pergunta inicial, o ‘E depois?’, leva-me a dizer que a Ucrânia, à semelhança da Suécia e da Finlândia, entrará na NATO, e será mais uma a dar razão às palavras de Kissinger no seu livro A Ordem Mundial, “A expansão da NATO até às fronteiras da RÚSSIA-até, talvez, a incluir-era agora apresentada como uma hipótese séria. O alargamento de uma aliança militar a territórios historicamente disputados a poucas centenas de quilómetros de Moscovo era proposto primordialmente não por razões de segurança, mas como método razoável de «aferrolhar» os ganhos políticos” (Kissinger, 2014, p. 110), como a democracia, a igualdade e a liberdade, que são os valores fundamentais e essenciais da história moderna. Tal como outros valores, estes têm de ser salvaguardados e protegidos de forças anti-liberais como Putin, Lukashenko, Prighozin, e de alguns líderes da Liga Árabe que começam cada vez mais a insurgir-se contra a causa da Ucrânia.

Bibliografia: Kissinger, H. (2014). A Ordem Mundial: Reflexões sobre o Caracter das Nações e o Curso da História. Leya.

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.

Texto de Guilherme Madaleno

As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

18 Julho 2024

Carta do Leitor: Admitir que não existem minorias a partir de um lugar de (semi)privilégio é uma veleidade e uma hipocrisia

11 Julho 2024

Carta do Leitor: Afinar a curiosidade na apressada multidão

3 Julho 2024

Carta do Leitor: Programação do Esquecimento

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

18 Abril 2024

Carta do Leitor: Cidades Híbridas: onde podemos libertar as nossas cidades interiores!

28 Março 2024

Carta do Leitor: Conversa com a minha doença autoimune

7 Março 2024

Carta do Leitor: Guia-modelo de Competências de Liderança

3 Março 2024

Carta do leitor: O profano do sagrado quotidiano

22 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Os blogs empresariais vão sofrer o  efeito Milankovitch este ano

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0