fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Carta do Leitor: As linhas vermelhas do marketing na  utilização de inteligência artificial

A Carta do Leitor de hoje chega pelas mãos de João Rico, que reflete sobre a utilização da Inteligência Artificial no marketing.

Texto de Leitor

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Nos dias de hoje, a Inteligência Artificial (IA) é ainda para muitos marketeers um cruzamento  entre os filmes “Her” e “Ex Machina”. De um lado, uma paixão entre um humano e a IA e a  forma como esta responde às emoções humanas de uma forma indistinguível, e como tal um sonho para quem quer criar experiências de marketing cada vez mais personalizadas e  envolventes. Do outro lado, a ideia de que as máquinas podem pensar melhor que os humanos, e  o perigo que seria se a IA nos conseguisse manipular. 

Curioso que foi o Bard da Google que me deu estes dois filmes como analogia à forma como os  marketeers vêem o tema da IA. E ele não está errado. O sentimento que atualmente os  profissionais de marketing sentem sobre a IA está muito relacionado com a paixão pelas  oportunidades que podem ser criadas, e pelo desconhecimento sobre o que ele pode fazer  sozinho. 

A discussão da “Ética na IA”, e os pedidos para que se regule a sua utilização, estão a ganhar cada vez mais força. Muito provavelmente, no caminho do 8 para o 80, ainda vai demorar  alguns anos para que se defina qual o ponto certo para parar e definir a linha vermelha geral.  Mas no marketing será que é assim tão difícil definir essa linha vermelha? No final do dia, a  criação de conteúdos, a produção de artes e fotografia, os focus group e análises de  comportamentos de compra, etc., são tarefas do marketing que atualmente já estão a ser  questionadas. Como posso eu provar que este texto não foi escrito por uma aplicação de  inteligência artificial? Como pode o Diogo Piçarra garantir que é ele que canta as músicas? Será  que a IA quando oferece uma resposta criativa, bloqueia esta resposta e não a oferece a mais  ninguém? Será que a máquina foi treinada para isso? Será que todos nós assumimos o uso de  IA? Até que ponto somos obrigados a isso? 

As perguntas são muitas, mas acredito que é possível hoje, para o marketing, definir uma linha vermelha no que diz respeito à utilização da IA. Se queremos falar da “Ética na IA”, primeiro  precisamos de falar dela dentro da nossa casa. 

Neste momento e durante os próximos anos, é dentro de casa  que vamos definir as linhas vermelhas que o marketing não  pode ultrapassar na utilização da inteligência artificial. 

Então como pode o marketing definir as linhas vermelhas, e que linhas podem ser essas: 

Reunir e Definir: A constituição de uma comissão nacional e internacional é requisito  primordial no que toca a construir um marketing com IA saudável. As estruturas já existem  (APPM, CNPD, APAN, e porque não CPPLP). É só garantir que se sentam na mesma sala. Mas  atenção. Se nesta sala não estiver nenhum representante técnico que “fale IA”, não vale a pena  começar a reunião. E sim, também aqui já há algumas estruturas em Portugal (APPIA e INESC). 

Regulamento Ético: Muitos profissionais executam actividade sem se regerem por uma carta  ou regulamento ético de uma ordem ou associação profissional. Mas estas entidades vão ser uma parte vital deste trabalho de definição e garantia de utilização correta da tecnologia. Se não  houver alinhamento teórico e ético das classes, muito dificilmente será possível o  distanciamento de ações individuais que coloquem em causa a utilização da IA de forma  responsável no marketing. E, já todos conhecemos o poder da generalização.

Formar, Treinar, Esclarecer: No dia em que a primeira versão de uma “Carta de Ética Tecnológica para o Marketing e Comunicação” for escrita, ela já vai estar desatualizada. A  inovação não espera. E é preciso que os profissionais tenham nas suas ordens e associações um  ponto regular de comunicação, informação, e formação no que toca ao uso das tecnologias. 

Mas e até lá? O que fazemos? Bom. Seguimos casos com risco calculado como o da Volkswagen no Brasil. Criou com IA uma campanha publicitária para comemorar os 70 anos da marca, dando vida à falecida Elis Regina e colocando a sua filha Maria Rita ao lado. Com apoio e  aprovação familiar. Resultado, têm 33M de visualizações no Youtube em 2 semanas, milhares de notas de imprensa em todo o mundo, e foram alvo de um (óbvio) pedido de impugnação do  CONAR por questões éticas na utilização de IA em pessoas falecidas. 

As linhas vermelhas neste momento estão ainda num tom rosa. Criamos muita coisa com IA  numa experimentação viva do que é esta tecnologia, mas temos um travão mental que nos diz até onde podemos ir. A linha vermelha atual está relacionada com a ética que rege muitos  profissionais. Podemos inovar, sim, mas acredito que sabemos calcular riscos. Garantir  concordâncias, validar as validações, validar o resultado, avaliar o impacto do resultado, testar o  resultado, e só no final publicar o resultado. Com o tempo, as linhas rosas vão se tornando em  linhas vermelhas. Mas até lá, somos aquilo que criamos, e criamos com aquilo que somos. 

Ser pioneiro ao mesmo tempo que se traçam linhas orientadoras é o dia a dia da tecnologia. Não  muito diferente do marketing, correto? 

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.

Texto de João Rico

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

18 Abril 2024

Carta do Leitor: Cidades Híbridas: onde podemos libertar as nossas cidades interiores!

28 Março 2024

Carta do Leitor: Conversa com a minha doença autoimune

7 Março 2024

Carta do Leitor: Guia-modelo de Competências de Liderança

3 Março 2024

Carta do leitor: O profano do sagrado quotidiano

22 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Os blogs empresariais vão sofrer o  efeito Milankovitch este ano

11 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Quem quer comprar um imigrante?

4 Fevereiro 2024

Excerto manifesto anti-exames

28 Janeiro 2024

Carta do Leitor – Desconstruir a Neuronormatividade: um chapéu de cada vez 

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [para entidades]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0