fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Carta do leitor: O profano do sagrado quotidiano

A Carta do Leitor de hoje chega pelas mãos de Leonardo Camargo Ferreira, que nos fala sobre os rituais fúnebres.

Texto de Leitor

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

No outro dia, era domingo, ia a caminhar rumo ao supermercado – um estabelecimento que se grava no nosso quotidiano – e passei pelo cemitério que se localiza perto da minha casa. Nesse momento, por alguma razão, talvez pelas pessoas que observei a passarem com alguma agitação para comprarem e tratarem de flores, velas e toda a ornamentação das campas dos seus entes queridos que ascenderam, coloquei-me a seguinte questão: será que eu serei uma destas pessoas?

O que eu queria obter com esta pergunta me inquietou. Na verdade, pretendia saber se, caso alguma pessoa que me é próxima falecesse, eu iria freneticamente todos os domingos tratar do local onde tal amigo ou familiar estaria em repouso eternamente. E a resposta foi quase um súbito “claro que não”.

Sou uma pessoa altamente profana. Para mim é o sagrado que me dá comichão, com todos seus determinismos filosóficos e absolutizações da realidade. E é este meu secularismo que me permite acreditar naquilo que verdadeiramente importa ao desenvolvimento do ser humano, das sociedades e do mundo: a ciência, a arte, a política e todas as formas de criação e expressão dos sujeitos. 

A tradição portuguesa, como todos sabem, é deveras melancólica. O luto é para todos efeitos negro e, em muitos casos, torna-se crónico. Mas a razão desta cronicidade parece tantas vezes estar mais ligada à aparência do sofrimento do que com a realidade do mesmo. Como se existisse uma dívida divina no momento em que a pessoa decide avançar com a sua vida e deixar de se representar num estado de inglória permanente.

Desta forma, por mais que adore quem comigo percorre caminhos belos e desafiantes, não consigo deixar de pensar que não vou ser aquilo que se espera de um tradicional enlutado. A sensação de obrigação da ida frequente ao cemitério é-nos incutida socialmente num país em que a morte sempre foi encarada como uma desgraça justificada pela vontade de Deus. Quase nunca há um lado bonito da morte (por mais sofredora que ela seja, evidentemente), e quando o há é sempre da forma como a sociedade quer, e não como o indivíduo gostaria verdadeiramente. O gasto com os materiais de decoração das campas é como umas amarras que teimam em não ser destruídas.

Peço desculpa a todas as pessoas que têm este hábito, que não deixa de ser bonito, de acompanhar frequentemente os seus finados. Contudo, nunca deixo de pensar que a maneira mais autêntica de mostrar que aquele ser humano continua vivo é através da valorização dos seus feitos e da passagem à descendência dos seus valores, educação e cultura – sem o dramatismo da perda, e sim com a convicção da permanência espiritual. Espiritualmente profana, portanto, intrinsecamente humana.

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.

Texto de Leonardo Camargo Ferreira

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

18 Abril 2024

Carta do Leitor: Cidades Híbridas: onde podemos libertar as nossas cidades interiores!

28 Março 2024

Carta do Leitor: Conversa com a minha doença autoimune

7 Março 2024

Carta do Leitor: Guia-modelo de Competências de Liderança

22 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Os blogs empresariais vão sofrer o  efeito Milankovitch este ano

11 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Quem quer comprar um imigrante?

4 Fevereiro 2024

Excerto manifesto anti-exames

28 Janeiro 2024

Carta do Leitor – Desconstruir a Neuronormatividade: um chapéu de cada vez 

14 Janeiro 2024

Carta do Leitor: Stream of consciousness pluvial 

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0