fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Carta do Leitor: Parentalidade na IA Generativa 

A Carta do Leitor de hoje chega pelas mãos de João Rico, que reflete sobre a dinâmica da parentalidade na educação da Inteligência Artificial Generativa.

Texto de Leitor

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Criar um filho é uma tarefa complexa e desafiadora. Os pais precisam de ensinar aos seus filhos  diversas competências e valores, incluindo interacções respeitosas e inclusivas, bem como nutrir  o seu sentido de identidade e auto-estima. É crucial que os pais proporcionem um ambiente de  amor e de apoio, uma vez que as crianças que se sentem amadas e apoiadas têm maior  probabilidade de se tornarem adultos felizes e saudáveis. No entanto, mesmo os melhores pais  podem cometer erros, incutindo inadvertidamente crenças tendenciosas ou prejudiciais nos seus  filhos. Por exemplo, os pais podem levar os seus filhos a acreditar que certos grupos de pessoas  são exclusivas de determinados cargos profissionais, impactando negativamente o  desenvolvimento da criança, a perceção social, e as suas relações com os outros. 

Da mesma forma, os dados utilizados para treinar sistemas de IA podem ser tendenciosos ou  prejudiciais. Se um sistema de IA for treinado principalmente num conjunto de dados que  contenha conteúdo racista ou sexista, adquirirá esses preconceitos, afetando significativamente  as suas interações com o mundo. Um exemplo deste preconceito poderia ser um sistema de IA  treinado num conjunto de dados tendencioso de candidaturas a empregos que favorecem  candidatos brancos do sexo masculino, resultando em recomendações discriminatórias do  mercado de trabalho. 

Tal como os pais devem ser cautelosos quanto às suas orientações, também devemos ter cuidado  em relação aos dados introduzidos nos sistemas de IA. É essencial garantir que os dados  representam o mundo desejado e que estão livres de preconceitos. Ao tomar medidas para  mitigar os preconceitos na IA, podemos promover a utilização justa e ética dos sistemas de IA. 

O preconceito entra na IA generativa através de dados tendenciosos usados no treino, mas pode  até entrar por meio do código lógico tendencioso escrito por humanos suscetíveis a  preconceitos, levando a resultados enviesados, como anúncios discriminatórios. Seja qual for a  forma de entrada destas noções discriminatórias, o facto é que torna evidente a importância de  abordar o preconceito na IA generativa para garantir sua imparcialidade e ética.

Uma IA tendenciosa pode causar danos sérios às empresas, incluindo danos à reputação da  marca, devido ao potencial de alienação de clientes e reações negativas, bem como o risco de  discriminação quando a IA é utilizada na seleção de candidatos. Além disso, a eficácia de ações  de comunicação pode ser comprometida, uma vez que os textos e imagens gerados pela IA  podem não atingir determinados grupos de forma adequada. Esses desafios destacam a  importância de abordar o preconceito na IA generativa no contexto de comunicação empresarial  e de marketing. 

As marcas têm à disposição várias estratégias para mitigar o preconceito na IA generativa. Em  primeiro lugar, a consciencialização é fundamental; eles devem entender como o preconceito  pode afetar as suas campanhas. Além disso, a utilização de dados verificados, que foram  minuciosamente avaliados quanto a preconceitos, é essencial, colaborando com especialistas em  dados para garantir que sejam imparciais e representativos. Rever atentamente os resultados  gerados pela IA é um passo crítico antes de incorporá-los nas campanhas de marketing,  procurando identificar e corrigir quaisquer preconceitos. A colaboração próxima com cientistas  de dados e desenvolvedores é fundamental para garantir sistemas de IA justos. Além disso, a  educação contínua sobre a mitigação de preconceitos na IA é crucial, assim como o  envolvimento na defesa do desenvolvimento e uso responsável desses sistemas em parceria com  empresas de tecnologia e agências governamentais. 

O preconceito na IA é uma questão complexa que todos devemos abordar de forma proativa. Ao  tomar medidas para mitigar o preconceito, podemos evitar a discriminação e comunicar de  forma mais eficaz. 

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.

Texto de João Rico

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

18 Abril 2024

Carta do Leitor: Cidades Híbridas: onde podemos libertar as nossas cidades interiores!

28 Março 2024

Carta do Leitor: Conversa com a minha doença autoimune

7 Março 2024

Carta do Leitor: Guia-modelo de Competências de Liderança

3 Março 2024

Carta do leitor: O profano do sagrado quotidiano

22 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Os blogs empresariais vão sofrer o  efeito Milankovitch este ano

11 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Quem quer comprar um imigrante?

4 Fevereiro 2024

Excerto manifesto anti-exames

28 Janeiro 2024

Carta do Leitor – Desconstruir a Neuronormatividade: um chapéu de cada vez 

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0