Em Portugal, a andorinha simboliza a primavera, pois regressa ao local onde fez o seu ninho, assimilando-se ao lar, a família, a fidelidade e a lealdade. Rafael Bordalo Pinheiro moldou alguns exemplares de cerâmica em 1891 que proliferaram em decorações, tornando-se um ícone português.

A Península Ibérica, além de ser um refúgio de inverno para as aves europeias, é um dos principais corredores migratórios do mundo, pois estima-se que entre 30 e 50 milhões de aves cruzem o Estreito de Gibraltar duas vezes por ano na sua viagem de até 20.000 km para invernar em África.

No entanto, o aquecimento global está a mudar as rotas das aves, à medida que um maior número de aves migratórias permanecem na Península Ibérica, chengando a várias dezenas de espécies africanas que colonizam o Sul, uma vez que o Sul da Europa é cada vez mais parecido do ponto de vista ecológico com o Norte da África; e com o início da primavera e a época de reprodução, apenas as espécies que se estão a adaptar é que vêem as suas populações a aumentar.

De Mãos Dadas é um projeto digital do Conselho Cultural da Embaixada de Espanha em Portugal que pretende mostrar os pontos de união, quer sejam históricos, artísticos, geográficos ou pessoais que, ao longo da história e na atualidade, fizeram de Espanha e Portugal países vizinhos que caminham de mãos dadas. 

O projeto Mãos Dadas está a ser divulgado no âmbito do programa EP COLAB 2021. Promovido pela AECID – Agência Espanhola de Cooperação Internacional para o DesenvolvimentoEmbaixada de Espanha em Portugal e Gerador, este é um programa de atividades digitais que pretende colocar em contato artistas e entidades culturais espanholas e portuguesas. Descobre mais aqui.

Ilustração de Pri Ballarin