fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Democracia e digital. Qual o impacto das novas tecnologias na democracia?

Com Inês Narciso, Rita Espanha e Diogo Queiroz de AndradeData e local: 7 de abril…

Texto de Gerador

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Com Inês Narciso, Rita Espanha e Diogo Queiroz de Andrade
Data e local: 7 de abril às 19h nas Carpintarias de São Lázaro, em Lisboa

É inegável o papel central que as tecnologias têm hoje no nosso dia-a-dia. Se, por um lado, a tecnologia pode impulsionar a capacidade de participação dos cidadãos na sociedade democrática, a sua mobilização para uma cidadania mais ativa e facilitar o acesso a informação, por outro lado, existirão riscos associados à sua utilização.

A manipulação e desinformação, a invasão da vida privada, vigilância oculta ou, mesmo, a permeabilidade dos canais digitais a ciber-ataques, para dar alguns exemplos, fragilizam a democracia?

Nesta conversa vamos refletir sobre qual o impacto das novas tecnologias no sistema democrático.

Caso não possas comparecer no dia, poderás ver mais tarde a transmissão online desta conversa em gerador.eu. A gravação das conversas nas Carpintarias de São Lázaro serão disponibilizadas 24h após a sua realização.

Inês Narciso

Inês Narciso é uma aluna de Doutoramento do ISCTE-IUL, onde colabora com o MediaLab em projetos de investigação na área da desinfomação. Antes de ingressar no meio académico, trabalhou 12 anos na área da investigações digitais sobre ameaças à segurança interna

Rita Espanha

Doutorada em Sociologia, área da Comunicação e Saúde, pelo Iscte-Instituto Universitário de Lisboa, Mestre em Planeamento Regional e Urbano pela Universidade Técnica de Lisboa e Licenciada em Sociologia pelo Iscte-Instituto Universitário de Lisboa, é professora auxiliar com agregação no Iscte-Instituto Universitário de Lisboa. Diretora do Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias de Informação. Docente do departamento de sociologia, leciona nos 3 ciclos de estudos, unidades curriculares de nas áreas da sociologia e das ciências da comunicação. Investigadora do CIES_Iscte, desenvolve atualmente pesquisas nas áreas da "Comunicação, Tecnologias de Informação e Saúde", "Literacia em Saúde", "Gerações e Tecnologia de Comunicação". É autora de vários livros e artigos nas áreas da Comunicação, Comunicação e Saúde, Comunicação em Rede e Jovens e Media em Portugal.

Diogo Queiroz de Andrade

Jornalista e investigador universitário focado no cruzamento entre tecnologia, cultura e poder. Enquanto jornalista foi diretor criativo do Observador, diretor adjunto do Público e diretor do Forum.eu, para além de ter dirigido a série de documentários televisivos Algoritmos e ser atualmente colunista do Eco. Na academia dá aulas de Inovação nas Indústrias Criativas na Universidade Nova, onde é também investigador do Obi.Media.

« de 8 »

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

13 Abril 2022

Da Revolução à atualidade: o que significa a liberdade de expressão?

7 Abril 2022

Descobre as fotografias da primeira conversa da Idade da Liberdade

21 Fevereiro 2022

O que está a nossa democracia a fazer para reparar os danos do colonialismo?

21 Fevereiro 2022

Sistema eleitoral: que desafios para o interior do país?

21 Fevereiro 2022

A efemeridade da memória coletiva 

21 Fevereiro 2022

Clube de Leitura: Racismo no país dos brancos costumes com Joana Gorjão Henriques

21 Fevereiro 2022

Clube de Leitura: Homossexualidade e Resistência no Estado Novo com Raquel Afonso

21 Fevereiro 2022

Clube de Leitura: Mário Domingues – A Afirmação Negra e a Questão Colonial com José Luís Garcia

21 Fevereiro 2022

Clube de Leitura: Processo de Humanização em Curso com Diogo Faro

21 Fevereiro 2022

25 de abril. Quais as consequências para os jovens hoje?

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0