fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Mudam-se os tempos, mantêm-se as vontades

A Carta do Leitor de hoje chega pelas mãos de Rodrigo Cardoso, que reflete sobre as estratégias dos governos.

Texto de Leitor

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O poema de Camões certamente não se aplica à conduta do poder político em  Portugal neste momento. Tal constante torna-se saliente se recordarmos os famosos três  F's do Estado Novo: Futebol, Fátima e Fado. 

Depois de um verão imerso em notícias sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, onde se gastou significativo dinheiro público num evento religioso, sobre o regozijo dos mais importantes atores políticos do país, soubemos agora que Portugal irá participar na organização do mundial de futebol de 2030. 

Anúncio feito e surge então o que parece ser agora o nosso novo "Fado": um entusiasmo orwelliano das mais altas figuras do estado perante notícias alheias aos problemas vividos pela sociedade, seguido por promessas infundadas de retorno económico. Estas justificações já poderiam ter sido substituídas por outras menos usadas, dado que já observamos todos o fiasco financeiro que foi o euro de 2004 e o não retorno económico que nos presenteou a rave cristã do passado verão. 

Numa altura de sintomas de colapso do sistema nacional de saúde, do ensino público, de crise habitacional, de emergência climática, como poderemos medir o nível de perversidade de apenas observarmos entusiasmo, mobilização e eficiência na organização de eventos religiosos e futebolísticos? Será isto ilusionismo político? Será  mesmo necessário impulsionar o nome de Portugal para atrair mais turismo através de eventos destes? O poder político acredita mesmo que tornar um país um parque de diversões é uma política de futuro? 

Factualmente, em véspera da celebração dos cinquenta anos da revolução de abril, dois F’s do antigo regime continuam a ter um desaconselhado nível de promiscuidade com o poder político. Será fácil subentender que, como em todas as relações, a condição de manutenção norteia-se pelas vantagens mútuas. O governo utiliza, assim, instituições que continuam a mexer com o emocional da população para a desconcentrar dos seus problemas sociais, deixando ainda como topping a expectativa de que estas ações poderão ainda fazer parte da solução. Infelizmente, este tipo de manobra política não é só característica deste governo, de outros anteriores também o foi, mas é sobretudo elucidativo perceber que é uma estratégia amplamente utilizada por regimes não-democráticos. 

Para além de estarmos perante uma gritante demonstração de imaturidade política por parte do governo atual, ao acreditar que este tipo de manobra funciona num regime democrático, com pessoas livres e informadas, parece-me que este sucessivo mediatismo em torno destes eventos é apenas sintomático da atual estagnação da ação política.  

Estimados governantes, os direitos não se esquecem, não se diminuem, não se reduzem a palavras e, acima de tudo, não desaparecem com o tempo, nem com a vossa  vontade. Mudam-se os tempos, mantêm-se os direitos. 

Se quiseres ver um texto teu publicado no nosso site, basta enviares-nos o teu texto, com um máximo de 4000 caracteres incluindo espaços, para o geral@gerador.eu, juntamente com o nome com que o queres assinar. Sabe mais, aqui.

Texto de Rodrigo Cardoso

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

23 Maio 2024

Carta do Leitor: O que a Europa faz por mim

16 Maio 2024

Carta do Leitor: Hoje o elefante. Amanhã o rato

18 Abril 2024

Carta do Leitor: Cidades Híbridas: onde podemos libertar as nossas cidades interiores!

28 Março 2024

Carta do Leitor: Conversa com a minha doença autoimune

7 Março 2024

Carta do Leitor: Guia-modelo de Competências de Liderança

3 Março 2024

Carta do leitor: O profano do sagrado quotidiano

22 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Os blogs empresariais vão sofrer o  efeito Milankovitch este ano

11 Fevereiro 2024

Carta do Leitor: Quem quer comprar um imigrante?

4 Fevereiro 2024

Excerto manifesto anti-exames

28 Janeiro 2024

Carta do Leitor – Desconstruir a Neuronormatividade: um chapéu de cada vez 

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

1 ABRIL 2024

Abuso de poder no ensino superior em Portugal

As práticas de assédio moral e sexual são uma realidade conhecida dos estudantes, investigadores, docentes e quadros técnicos do ensino superior. Nos próximos meses lançamos a investigação Abuso de Poder no Ensino Superior, um trabalho jornalístico onde procuramos compreender as múltiplas dimensões de um problema estrutural.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0