fbpx

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O country queer de Orville Peck

Nuno Miguel Gonçalves fala-nos sobre o álbum “Country Queer” de Orville Peck, destacando a singularidade da abordagem do cantor ao género country e a forma como o artista utiliza a sua identidade queer como uma força motriz para desafiar estereótipos e promover uma narrativa inclusiva no cenário musical.

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

O country nunca foi reconhecido como um género que abrace a comunidade LGBTI, sendo normalmente associado a uma secção mais conservadora do Sul e Interior norte-americano, nacionalista e multifóbica. À exceção da rainha Dolly Parton, claro. Mas o restante meio, cujo epicentro se encontra em Nashville, no Tennessee, continuava sem se deixar representar por outras identidades que não o cowboy branco heterossexual. Ainda que as cantoras e compositoras country como Parton, Emmylou Harris ou Loretta Lynn tenham conseguido alcançar sucesso transversal ao longo das décadas, sempre se mostrou também um meio em que as mulheres das canções desses cowboys embriagados eram subjugadas a superficiais objetos de desejo e pouco mais.

O cantor Steve Grand tornou-se viral no lançamento de All American Boy, uma música country sobre uma relação amorosa entre dois homens gay. Mas nunca entregou além dessa promessa inicial e rapidamente se tornou num modelo de roupa interior no Instagram, reduzindo-se um pouco a um act assente na sua (ótima) aparência física e a concertos em resorts gay norte-americanos. Trixie Mattel, a drag queen vencedora de uma das temporadas de RuPaul’s Drag Race, foi mais além e aliou a sua personagem drag, cómica e ácida, ao country, num estilo de composição e honestidade nunca vistos no meio, normalmente permeado por música eletrónica e feita exclusivamente para ser ouvida em discotecas. Também auspicioso foi o sucesso gargantuano em 2019 de Lil Nas X, um jovem rapper negro orgulhosamente gay, com Old Town Road um crossover country com Billy Ray Cyrus (sim, o pai da Miley).

Eis que chega Orville Peck, a nova coqueluche da música country (e não só). Peck é um pseudómino e a verdadeira identidade por detrás deste cowboy gay de máscara e franjas continua a ser fruto de especulação. A ele parece interessar-lhe que as pessoas projetem nele e naquela personagem as suas próprias ambições e desejos, menos imediatos que o estilo pin-up de Grand e mais primordiais e reveladores. A imagética que ele traz aos seus vídeos é a de um western atípico, como se fosse produto de um sonho idealizado por David Lynch, recheado de personagens diversas, ambiciosamente queer, nunca sequer resvalando para perto da banalidade. A sonoridade é também ela a sua imagem de marca, com uma impressão digital fortíssima nos seus vibratos barítonos e mood denso e negro: uma mistura de Johnny Cash, Nick Cave e Bobby Gentry, cantora e compositora que Peck homenageou com um cover de Fancy no seu último EP, Show Pony, em alusão ao primeiro álbum de originais, Pony, lançado em 2019. Neste último lançamento conta também com a participação de Shania Twain em Legends Never Die, inequivocamente a mais mainstream das suas canções. Promete fazer a ponte entre a aclamação crítica que tem tido e o grande público.

O country está diferente e a incorporar vivências que não as anteriormente usadas para contar as mesmas histórias de sempre. O maior nome a surgir nas últimas décadas do countryTaylor Swift, outrora silenciosa em tudo o que fosse relacionado a política, é hoje uma ferverosa ativista pelos direitos das mulheres e pessoas LGBTI. Mattel brinca que hoje “Taylor Swift (é tão gay) que toma PrEP”. E uma das canções de Swift em folkloreBetty, já foi inclusivamente tomada pela comunidade como um hino lésbico, mesmo que não o seja na sua génese. E com Orville Peck, o country está longe de ser conduzido por uma série de homens heterossexuais que bebem cerveja no lugar de condutor de uma pick-up truck. Um cavaleiro negro vindo de um bar de drag queens, recheado de delícias carnais e espirituais, chega ao coração dos Estados Unidos e nunca nada será igual.

Texto de Nuno Miguel Gonçalves, publicado inicialmente na esQrever
*As posições expressas pelas pessoas que escrevem as colunas de opinião são apenas da sua própria responsabilidade.*

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

11 Março 2024

Maternidades

28 Fevereiro 2024

Crise climática – votar não chega

25 Fevereiro 2024

Arquivos privados em Portugal: uma realidade negligenciada

21 Fevereiro 2024

Cristina Branco: da música por engomar

31 Janeiro 2024

Cultura e artes em 2024: as questões essenciais

18 Janeiro 2024

Disco Riscado: Caldo de números à moda nacional

17 Janeiro 2024

O resto é silêncio (revisitando Bernardo Sassetti)

29 Dezembro 2023

Na terra dos sonhos mora um piano que afina com a voz de Jorge Palma

25 Dezembro 2023

Dos limites do humor

14 Dezembro 2023

Tricotar janelas, segundo Sérgio Godinho

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura II – Redação de candidaturas [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Escrita para intérpretes e criadores [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Financiamento de Estruturas e Projetos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Criação e manutenção de Associações Culturais (online)

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

22 Julho 2024

A nuvem cinzenta dos crimes de ódio

Apesar do aumento das denúncias de crimes motivados por ódio, o número de acusações mantém-se baixo. A maioria dos casos são arquivados, mas a avaliação do contexto torna-se difícil face à dispersão de informação. A realidade dos crimes está envolta numa nuvem cinzenta. Nesta série escrutinamos o que está em causa no enquadramento jurídico dos crimes de ódio e quais os contextos que ajudam a explicar o aumento das queixas.

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0