fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

“O objetivo é que a escola, a partir da nossa ida, se torne um sítio mais inclusivo e mais seguro para toda a gente”

Tomás Barão é voluntário da rede ex aequo. Esta é uma associação de jovens lésbicas,…

Texto de Flavia Brito

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

Tomás Barão é voluntário da rede ex aequo. Esta é uma associação de jovens lésbicas, gays, bissexuais, trans, intersexo e apoiantes, com idades entre os 16 e os 30 anos em Portugal, que têm procurado preencher a lacuna relativa às temáticas LGBTI em ambiente escolar, através de um projeto de educação não formal e entre pares. Para muitos jovens, estas sessões são o primeiro contacto com esta temática.

Ouve a entrevista aqui:

Vamos falar sobre educação sexual? Neste podcast, falamos com seis especialistas sobre o tema da educação sexual em contexto escolar, e não só. Esta série de entrevistas complementa a reportagem "Educação sexual: como as escolas estão a abordar este tema sensível", realizada no âmbito da Bolsa Essencial Gerador. Podes lê-la, na íntegra, na edição n.º 36 da Revista Gerador e também online aqui.

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

6 Janeiro 2022

“A educação sexual não é um espaço de opinião”

23 Dezembro 2021

“Os pais não são donos dos filhos”

16 Dezembro 2021

“Às vezes, as metáforas são perigosas, porque acabam por destorcer a realidade”

9 Dezembro 2021

“A sexualidade não se esgota na biologia. A sexualidade humana é muito mais complexa”

2 Dezembro 2021

“Dois terços dos jovens acham que [violência no namoro] é normal”

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0