A investigadora vai apresentar uma masterclass com o tema "A importância da cultura nos territórios de guerra", pelas 16h00 do dia 22 de maio.

Shahd Wadi é Palestiniana, entre outras possibilidades, mas a liberdade é sobretudo palestiniana. Exerce a sua liberdade também no que faz, viajando entre investigação, tradução, escrita, curadoria e consultorias artísticas.

Procurou as suas resistências ao escrever a sua dissertação de Doutoramento em Estudos Feministas pela Universidade de Coimbra que serviu de base ao livro “Corpos na trouxa: histórias-artísticas-de-vida de mulheres palestinianas no exílio” (2017). Foi então seleccionada para a plataforma Best Young Researchers. Obteve o grau de mestre na mesma área pela mesma universidade com uma tese intitulada “Feminismos de corpos ocupados: as mulheres palestinianas entre duas resistências” (2010).

Para os respectivos graus académicos, ambas as teses foram as primeiras no país na área dos Estudos Feministas. Na sua investigação aborda as narrativas artísticas no contexto da ocupação israelita da Palestina e considera as artes um testemunho de vidas. Também da sua.

De 20 a 22 de maio vamos tentar responder à pergunta "Há uma nova oportunidade para a cultura agora?", dando voz a nomes como David Throsby, Gonçalo M. Tavares, Ana Jara, Welket Bungué, Emília Ferreira, Nuno Centeno, Beatriz Gomes Dias, John Romão, Martim Sousa Tavares e muitos outros.

Vais poder assistir a concertos, debates, performances, entrevistas, masterclasses e ter acesso a um recinto totalmente virtual com espaços que vão desde os palcos à restauração, passando pela sala onde podes conviver com outros festivaleiros. Descobre tudo na página principal do Oeiras Ignição Gerador.

Compra já aqui o teu passe de 3 dias