fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

Bem Comer: Comer fora de casa. História nº 7

"Sirva-se como se esteja em sua casa! À Tramoços e Minuins!"

Citação de A. Silva Garcia (Processos Metonímicos no Calão).

As velhas tascas de bairro podem não ser geridas por mestres da língua de Camões, mas estou convencido que o dono do "Mal Cozinhado",  por andou o vate há quatro séculos e tal, a afogar as mágoas, também não criava sonetos...

Sou normalmente mais viajado por outro tipo de "resorts" onde se come e bebe, mas de vez em quando dou por mim ao balcão de uma tasca ou à mesa de uma esplanada de roulotte, que são as tascas do século XXI,  a pedir uma bica, ou uma imperial e um petisco,  para fazer horas para qualquer coisa que se passe ali por perto.

O linguarejar que – se tivermos sorte – se pode ouvir  nesses locais é extraordinário.

Muito do público que assim fala e que por lá  encontro quando por vezes  me penduro nesses balcões faz parte do que se convencionou chamar "lumpen proletariat".

Uma palavra cunhada por Marx e Engels , do alemão "pessoa esfarrapada", para designar a faixa mais baixa do proletariado, oposta aos trabalhadores mais esclarecidos e mais politizados.

Diríamos hoje, "refrescando" a teoria, que se trata de trabalhadores manuais  sem trabalho certo, por oposição aos trabalhadores manuais que ainda têm emprego. Muitos são imigrantes oriundos da Africa de expressão portuguesa. E todos são marginalizados. Vieram para cá antes da crise, trabalharam nas obras, casaram e fizeram filhos. Agora estão sem dinheiro para regressar e, da mesma forma, sem dinheiro para cá se manterem, a eles e às suas famílias.

Encontram-se naqueles locais, porque – como vim a saber – ali são procurados por alguns patrões ou capatazes para fazerem biscates. Hoje na estiva, amanhã na serventia a pedreiro, depois podem ser chamados para dar uma ajuda para fazer umas mudanças lá em casa, ou para coisas (ainda) menos legais como dar uns apertões a alguém que ficou a dever dinheiro a algum agiota.

Num desses locais (na Rocha do Conde de Óbidos) apercebi-me pelo contexto que várias frases eram criadas em calão por processos metonímicos (aproximação de sentido).

Estava caminho de um evento a bordo de um navio que fazia cruzeiros fluviais no Tejo e, como sou experiente nestas matérias de convites sociais que incluem “buffet”, decidi aviar-me em terra, com receio do que se poderia ali oferecer a bordo, e sobretudo temendo as horas tardias a que começaria o repasto.

Sentei-me a uma mesa na pequena esplanada e deliciei-me com o que ouvia.

Estive lá pouco tempo, o suficiente para comer um cachorro quente e beber uma imperial, aproveitando para pedir indicações ao proprietário sobre a amarração das docas que procurava.

Das conversas que presenciei destaco algumas frases.  Assim,” morrer" podia ser também "Ir passar o Natal à terra" ou "Acordar com a boca cheia de formigas".  E uma senhora "da vida" era uma "fedorenta". E ainda aprendi que "brilho" estava para a cocaína como "cavalo" para a heroína. Alguns dos termos menos próprios, como “Abusar da Maçaneta” ou “Agasalhar o Palhaço” nem traduzo por motivos de decoro.

Bebia-se muito àquela hora que já era quase de almoço, e o que estava mais em voga eram os "submarinos", uma mistura de bagaço com cerveja, como vim depois a descobrir.

Não vi letreiros a anunciar "Tramoço" nem "Minuins”. Mas lá estava um outro painel bem visível: "Pagamento Adiantado". Sinal dos tempos.

Saí com mais instrução do que aquela  que tinha quando entrei. E, pagando 3,5 euros pelo cachorro e cerveja, ainda com direito a pires de tremoços, achei barato o curso.

Nota: O principal processo que leva à criação de palavras do calão é a metonímia. A metonímia é utilizada na associação semântica através da contiguidade de significados, ou seja, o falante de uma determinada língua faz uma aproximação entre o significado de um termo e o significado de um outro termo.

Texto de Manuel Luar
Ilustração de Priscilla Ballarin

Se queres ler mais crónicas do Bem Comer, clica aqui.

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

Shopping cart
There are no products in the cart!
Continue shopping
0
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}
Copy link
Powered by Social Snap