Desafíamos os artistas Aníbal Zola e Rita Ravasco a unirem forças, apresentando uma performance em que as artes visuais e a música surgem de mão dada, à distância. Depois deste dueto improvável explicam o processo de criação da performance em direto e respondem a eventuais questões do público, descobre o vídeo já aqui em baixo, às 18h30 ;-)

Partilha emoção com os artistas reagindo aqui ao vídeo ;-)
[wpreactions sgc_id="9"]

Se quiseres deixar os teus comentários e questões podes fazê-lo diretamente no canal de youtube do Gerador. Para ires lá parar, se estiveres no PC, basta carregares, no vídeo em cima, no botão que diz Youtube. Se estiveres no telemóvel carrega aqui. Aproveita e subscreve o nosso canal para acompanhares as loucuras que por lá vamos fazer nos próximos tempos.

Um bilhete para a cultura

Cultura para matar o bicho é uma iniciativa do Gerador que promete levar, diariamente, um conjunto de momentos culturais até tua casa, promovendo as mais diversas áreas, entidades e pessoas ligadas à cultura portuguesa.

Todas as iniciativas culturais diárias que estamos a fazer no nosso site são gratuitas para o público mas remuneradas para os artistas que nelas participam. Apoia-nos e contribui para que continuemos a levar a cultura portuguesa a todos, através do donativo que podes fazer já aqui do lado esquerdo :-)

Se gostas destas iniciativas fica por aqui, o resto da semana está também recheado de cultura aqui no nosso site. Desde duetos em direto com artistas de áreas culturais diferentes, passando por mesclas ao vivo, a leituras encenadas sempre às quintas-feiras, até a workshops de tudo o que pode ser útil para casa. Descobre aqui o nosso plano semanal para levar a cultura a casa de todos. E sabe mais sobre o compromisso do Gerador para os próximos tempos aqui.

Aníbal Zola é um cantautor e contrabaixista do Porto, com formação académica em Jazz, que desde 2008 tenta utilizar a língua portuguesa como cúmplice no seu processo de composição. Em Fevereiro de 2020 lançou o seu mais recente álbum “amortempo”, um disco que fala de Amor, Tempo e Morte e resulta do desejo de juntar o contrabaixo e a voz a um conjunto generoso de participações de outros músicos extremamente talentosos que têm vindo a cruzar-se no seu caminho.

O trabalho de Rita Ravasco é de tal modo variado que não se consigue apresentar só na ilustração ou só na pintura,  não é possível definir-se num único caminho das artes visuais. Tudo surge de vontades e conceitos que absorve. No seu percurso artístico, passa pela ilustração, pintura, arte urbana, vídeo, stop motion, desenho e escultura. O principal foco é a transformação da ideia em material visual, transformar suportes em ideias que levem o espectador a refletir.