fbpx
Quarta-feira, 18 Março 2020

Outros Quinhentos: Uma posta de pescada

“Olha aquele ali a mandar postas de pescada!”

Será que podemos mandar uma posta de robalo? Não, não me parece. Português que se preze manda postas de pescada, não é assim? Ou talvez não! Há também quem arrote postas de pescada, nada bonito, não? Mas, na verdade, estes dois verbos “mandar” e “arrotar” acompanham muitas vezes a posta… de pescada como vamos ver a seguir.

Arrotar/mandar postas de pescada quer dizer que alguém se está a gabar ou a vangloriar muito, que está a bazofiar! E geralmente gaba-se de coisas que não correspondem bem à realidade. São os gabarolas, são esses que mais postas de pescada mandam.

Mas porquê uma posta de pescada e não de outro peixe qualquer?

Usemos o exemplo de cima. Ninguém se imagina a dizer: “Olha aquele ali a mandar postas de salmão!” Não, não soa bem. Raios! Para funcionar e fazer sentido, tem mesmo de ser pescada. Então, porquê?

Ao que tudo indica o uso de pescada não é mesmo por acaso. A pescada era um peixe caro, não era para a boca de qualquer um. Durante vários séculos, a pescada foi considerada valiosa. No Foral de Lisboa, em 1500, este peixe encontrava-se na lista das preferências, seguido dos gorazes, cachuchos ou cavalas, e por aí em diante: “O conduto dos pescadores de Lisboa é este: a cada um, uma pescada se a trouxerem; e, se trouxerem gorazes, a cada um, quatro; e se cachuchos ou cavalas, a cada um, seis […]”, etc.

Aqui vos deixo com mais uma expressão bem nossa. Até breve, e já sabem: podendo, fiquem por casa. Os tempos não estão fáceis.

Texto de Ana Salgado
Ilustração de Amalteia

Se queres ler mais crónicas do Outros Quinhentos, clica aqui.
gerador- outros-quinhentos-pescada

MAIS ARTIGOS DE Mais, DESTAQUE

Gargantas soltas 26.Fev.2021

Crónica de merda

Ultimamente tenho saído para correr. Não é uma prática que me agrade especialmente, muito menos quando decido começar a fazê-lo em pleno inverno. Vivo em Lisboa, a cinco minutos do…

Do Gerador 25.Fev.2021

Revista Gerador 33 com obras inéditas de Afonso Reis Cabral, João Monteiro e Marta Pedroso

A Revista Gerador 33 está disponível na nossa loja online. Se ainda não a tens, podes encomendar agora o teu exemplar e recebê-lo em poucos dias em tua casa. Esta edição…

Sobressalto 25.Fev.2021

ZERO convida-nos a ver a Amazónia para além do óbvio

É já hoje, 25 de fevereiro, às 21h00, que decorre a primeira sessão de Amazónia para além do óbvio, um ciclo de três webinares com especialistas que querem debater o…

Mais 25.Fev.2021

Interferência: Em Busca da Aletheia Perdida

Nota de rodapé ao Sein und Zeit, de Martin Heidegger, tradução para o inglês por John Macquarrie e Edward Robinson, página 57 (Blackwell Publishers Ltd 1962). Imaginem a seguinte situação:…

Entrevistas 25.Fev.2021

Ciclo 12 em Rede: Aqui, as pedras contam histórias sobre a cultura portuguesa

Com início em 2017, no ciclo “12 em Rede — Aldeias em Festa” celebram-se as aldeias e contam-se histórias sobre a cultura portuguesa. Atualmente, integram esta iniciativa dez municípios, que…

Gargantas soltas 25.Fev.2021

Eu, um filho do Império

À Micas e à Maria Helena. Ao meu pai e à minha Avó, in memoriam Sou um filho do império Colonial Português, das suas brutalidades, afetos e contradições. Nasci em…

{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}
X
X
Partilhar
Copy link
Powered by Social Snap