Alguns verbos portugueses têm dois particípios passados, um regular e outro irregular.

A forma regular do particípio passado é usada com os verbos auxiliares ter e haver. Por exemplo:

 

Ele tinha acendido as luzes.

Eles haviam absorvido boas energias.

A Joana nunca tinha ganhado a medalha de ouro.

Tinha descalçado os sapatos.

 

A forma irregular é usada com os verbos auxiliares ser e estar.

Eles estavam absortos nos seus pensamentos.

As luzes foram acesas.

A competição foi ganha com esforço.

Estava descalço em casa.

 

Deixo-vos mais alguns exemplos:

 

Infinitivo Particípio regular Particípio irregular
aceitar aceitado aceite
afligir afligido aflito
completar completado completo
eleger elegido eleito
entregar entregado entregue
exprimir exprimido expresso
imprimir imprimido impresso
libertar libertado liberto
limpar limpado limpo
matar matado morto
omitir omitido omisso
prender prendido preso
salvar salvado salvo
secar secado seco
soltar soltado solto

 

E agora um apontamento final em relação aos verbos ganhar, gastar e perder. Ainda que estes verbos tenham particípios duplos, na realidade, nos dias que correm, praticamente se usam as formas irregulares: ganho, gasto e pago.

A língua é dinâmica e vai sendo alterada pelos falantes. No meu exercício profissional, tento sempre seguir a regra, aplicando a forma regular com ter e haver, e a irregular com ser e estar, mas trabalho com algumas casas editoriais que já não aceitam essa correção.

Assim afiamos a língua e marcamos encontro para daqui a 15 dias.

Texto de Ana Salgado
Ilustração de Sérgio Neves

Se queres ler mais crónicas do Afiar a Língua, clica aqui.