A chegada da pandemia suscitou uma verdadeira corrida à informação, o que, por sua vez, fez também com que se intensificasse o já muito presente debate acerca da importância do jornalismo. Foi por essa razão que, no Barómetro Gerador Qmetrics, quisemos ouvir os portugueses acerca da sua relação com o jornalismo e com os meios de acesso a informação. É sobre este tema que nos debruçamos hoje no Barómetro ao Milímetro.

Antes deste período de pandemia se iniciar, a televisão e as redes sociais eram considerados os principais meios para obter informação. Apesar desta tendência se ter mantido, a televisão registou um maior crescimento do que as redes sociais, mas importa ainda referir o aumento significativo da utilização dos sites de notícias como fonte de conhecimento para todas as idades.

À excepção da rádio e dos jornais/revistas em papel, todos os restantes meios parecem ter tido um aumento de utilização após o início da pandemia, o que reflecte, por um lado, um afastamento destes dois primeiros meios, mas também um expectável aumento da procura de informação por parte da população. Sabemos ainda que o aumento de popularidade da televisão, das redes sociais e dos sites de notícias é transversal a todos os níveis de escolaridade. 

Já quando questionados acerca do tempo que dedicam a cada um dos três meios mais importantes, os jovens entre os 15 e os 24 anos afirmam dedicar muito mais tempo a redes sociais e a páginas na Internet do que à televisão. No entanto, a partir dos 35 anos, a televisão já surge como o meio que ocupa mais tempo aos inquiridos. 

Quisemos também saber, numa escala de 1 a 10, qual a importância que os portugueses atribuem ao jornalismo. Foi classificado, em média, com 8 valores, embora ocupando apenas o 9º lugar, à frente do Entretenimento, numa lista onde figuravam um total de 10 setores da sociedade, entre os quais a saúde, a cultura, a educação e a segurança. 

A partir desta classificação, constatámos ainda que o perfil de quem mais valoriza o jornalismo é o de mulher da zona norte do país, com idade média de 39 anos e com mais de 12 anos de escolaridade. Por outro lado, os homens, principalmente os moradores no centro e sul do país e com uma escolaridade até ao terceiro ciclo do ensino básico, são os que menor valor atribuem ao jornalismo enquanto dimensão relevante para a sociedade.

O Barómetro Gerador Qmetrics é um estudo anual que analisa a opinião dos portugueses sobre a cultura. Realizado pela primeira vez em 2019, o âmbito do questionário deste ano incidiu, principalmente, nas consequências da pandemia na sociedade e na cultura. Sabe mais sobre o relatório de 2020 aqui e pede o teu relatório completo aqui.

Mergulhamos quinzenalmente no Barómetro Gerador Qmetrics para te trazermos análises dedicadas à relação dos portugueses com a cultura. Fica atento aos próximos artigos. Entretanto, se quiseres ler mais sobre o jornalismo em tempos de pandemia, espreita aqui esta reportagem do Gerador.

Síntese Ficha Técnica

O universo do estudo é constituído por indivíduos com idade igual ou superior a 15 anos, residentes em Portugal Continental e Ilhas. A Amostra, com 1.201 entrevistas validadas, foi estratificada por região, sexo e escalão etário, em Portugal Continental, e por Ilhas, e distribuída em cada estrato de acordo com a repartição da população alvo em cada estrato. As entrevistas foram realizadas de 20 de abril a 7 de maio de 2020, através de um questionário aplicado online utilizando o método CAWI (Computer Assisted Web Interview). Os resultados são apresentados com um nível de confiança de 95%. A margem de erro para a média na escala 1 a 10 é de 0,15 pontos e a margem de erro para a proporção é de 2,83 pontos percentuais.