A nova exposição do Museu de Lisboa, "Em meu sorriso a minha entrega. Um busto de Amália por Joaquim Valente", abriu no passado dia 7 de maio, na sala de exposições temporárias do Palácio Pimenta, no Campo Grande. Celebrando as comemorações do centenário do nascimento da fadista, até ao dia 31 de outubro será possível visitar a história do busto de Amália Rodrigues, elaborado pelo escultor Joaquim Valente.

Ao longo de mais de meio século, a fadista Amália Rodrigues cantou a cidade de Lisboa, projetando-a para um nível internacional. A figura da fadista, alimentada pela indústria dos media, contribui para uma renovação da imagética do fado e da própria cidade.

Busto de Amália figura na capa do LP, gravado em 1962

Na década de 1940, o escultor Joaquim Valente foi responsável por uma das representações plásticas mais icónicas da fadista. De cabeça inclinada, de olhos fechados, de rosto sereno, o busto de Valente retrata Amália de forma emotiva.

Esta obra tornou-se emblemática, ao figurar na capa do álbum, gravado em 1962, no qual Amália chama ao canto, pela primeira vez, as vozes de poetas eruditos e com o qual a fadista inicia a sua parceria artística com o compositor Alain Oulman. Sem título, seminal e revolucionário, o álbum ficaria conhecido para sempre como Busto.

A exposição encontra-se patente no Palácio Pimenta, espaço do Museu de Lisboa, entre os dias 7 de maio e 31 de outubro.

Local: Museu de Lisboa, Palácio Pimenta

Horário: terça-feira a domingo, das 10h às 18h (última entrada 17h30)

Preço: Bilhete 3€, com acesso a todos os espaços do Museu Lisboa - Palácio Pimenta

Fotografias da cortesia de Museu de Lisboa