Nesta Ignição Gerador invadimos um sótão perdido na Embaixada Lx, Príncipe Real, Lisboa.

5 minutos depois

Um contador de histórias brinca com o conceito de tempo, recebendo visitas numa casa onde já morou gente. E, se o passado é um sitio que ainda visitamos, e o futuro está já ao virar da esquina, o presente é quando e onde um homem quiser.

Criação e interpretação de Jorge Crespo

Peso Abstracto do Tempo

Neste sótão escuro, neste não-lugar que não é mais do que o contrario de uma utopia, nestes corredores e salas que existem mas que não albergam memorias, o tempo corre sem acrescentar nada àquilo que já lá está. Cada janela corrida, cada pagina dobrada, cada porta fechada reflecte o gesto que não volta a trás. Nada sucede àquilo que agora habita o espaço. No esquecimento deixa de existir. E ao deixar de existir, é livre.

Criação e interpretação de Rosana Ribeiro e Rui Peixoto