Entrar com o pé direito é uma expressão bem conhecida entre nós. Com o significado de “entrar bem ou começar bem alguma coisa”, é frase que se irá ouvir bastante nos próximos dias.

Para muitas pessoas, entrar com o pé direito não é apenas uma simples expressão. Para aqueles que são supersticiosos, pode mesmo representar uma espécie de ritual. Aposto que já reparaste nos jogadores de futebol que entram em campo com o pé direito. Mas não é só no futebol que se entra com o pé direito. Todos nós desejamos sempre entrar com o pé direito.

Mas porque não há de ser com o pé esquerdo? Por que motivo o votamos ao opróbrio? Terá o pé direito melhor metatarso? Serão mais finos os seus dedos? Bom, a explicação, julga-se e julgo eu também, não se deve buscar na ciência da anatomia. Deve procurar-se, talvez, lá para os lados do Lácio, na Roma Antiga. Nisto como em muitas outras coisas, continuamos herdeiros dos romanos.

Os romanos, povo supersticioso, tinham horror ao lado esquerdo. Por exemplo, aquando da observação das aves – que à época não era nenhum hobby, mas sim uma prática religiosa importante, com a qual se consultava os deuses e se tomavam decisões –, se a ave se deslocava para a esquerda, considerava-se isso um mau agouro. E talvez esta crença também tenha passado para o cristianismo. Afinal, não permanecem os eleitos de Deus sempre à sua direita? Quanto à esquerda de Deus, nem notícia...

Vemos, assim, que esta é uma superstição antiga, de mais de 2000 anos, e provavelmente a expressão que a acompanha também não será nova. Superstições à parte, o leitor é livre de entrar com o pé direito ou com o esquerdo. Mas não se esqueça: o importante é não cair.

Votos de um bom ano (sem quedas)! E assim me despeço com amizade até 2020!

Texto de Ana Salgado
Ilustração de Sèrgio Neves

Se queres ler mais crónicas do Outros Quinhentos, clica aqui.
gerador-outros-quinhentos-entrar-com-pé-direito