fbpx
Menu Grande Pesquisa
Carrinho0

COOK4ME BEM COMER SOBRE UM CARIL DE SAUDADE

Acordo às vezes com saudades de meu mestre David Lopes Ramos, miseravelmente retirado ao nosso convívio já há 6 anos (faleceu em Abril de 2011),

Não só era um comentador de gastronomia excecional, um conhecedor, com uma humildade que o tornava ainda ávido de aprender, mas também um homem bom que melhorava todos aqueles que com ele confraternizavam.

Foi o Zé Quitério que o introduziu na minha roda de amigos e - se mais não houvesse - seria isto suficiente para lhe dever preito e homenagem, para sempre.

Recordo-me da voz dele, do tom pausado como começava as suas conversas comigo:
" Meu Amigo...".  Das opiniões escorreitas, da sua sabedoria calma e contida.

Perdido nestas lembranças recordo um dos livros que nos deixou, “Sabores da Lusofonia” , e de como ele se apaixonou com este projeto onde tentava explicar a miscigenação entre as culturas gastronómicas de Portugal e dos locais onde a diáspora do século XV e XVI nos levou.

Mas também me lembro bem dos seus alvoroços, do deslumbramento que mostrava - como se fosse uma criança - quando lhe proporcionávamos alguma coisa que lhe fosse transcendente.

Um dia, no Restaurante Beira Mar, olhando para o Robalo de Mar excecional, rijo que nem uma tábua, pescado há apenas algumas horas e que era "irmão" do outro que estava à nossa frente no tabuleiro do forno, dizia para o pescador:

- "Mestre Tó Simão, é este um privilégio! Poder estar aqui consigo,  com o pescador desta maravilha,  a comer o seu peixe, algumas horas depois de o ter apanhado! Em que país do mundo  isto seria possível?"

Na altura em que andávamos todos à volta dos sabores “lá de fora” e como eles se misturavam com os aqui do retângulo pátrio, outro bom amigo fez-nos em casa um Bacalhau Carilado que muito apreciámos, como exemplo destas “maridagens”.

E aqui deixo a receita, em homenagem a todos os que compartilharam essa refeição com história e “estórias”.

Começo por dizer que quem traduz “caril” como sendo uma mistura de especiarias utilizada para condimentar pratos de origem indiana\asiática, está certo.

Está tão certo como quem diz que o oceano é constituído por água e sal…

Devem existir milhares de receitas de caril. Algumas delas, segundo me explicaram levam mais de setenta plantas diferentes… Reduzir esse mundo a um “pó de caril” retirado da prateleira do Hiper é demasiado redutor.

Tentem comprar esta mistura divina nos mercados exóticos que hoje abundam, na Praça da Ribeira, no Martim Moniz. Experimentem várias qualidades e tenham sempre cuidado em pedir aos “fabricantes” que o que desejam levar é “para europeus”. Isto para controlar o grau de picante.

Já experimentei disto tudo e embora tenha uma resistência natural ao picante há uma certa altura do “abuso” em que a comida já não tem sabor nenhum. E ninguém deseja isso.

E aqui vai a Receita:

Bacalhau Carilado

3 postas de bacalhau demolhado

10 a 15 batatas médias
2 cebolas
1 dente de alho
2 colheres de sopa de mistura de caril
2 colheres de sopa de concentrado de tomate
1,5 dl de vinho branco
4 colheres de sopa de azeite virgem
7 dl de leite de coco
sal q.b.
Pimenta moída na altura q.b.
Piripiri q.b.

Faz-se um refogado com a cebola, alho picado e o azeite. Estando louro, acrescenta-se o caril, desfeito num pouco de água. Deixa-se ferver 5 minutos e depois junta-se o tomate, diluído no vinho. Em fervendo mais 8 minutos, adiciona-se o leite de coco lentamente. O tacho deve estar destapado, sobre lume médio. À parte escalda-se o bacalhau, limpando de peles e espinhas e parte-se às lascas. Cozem-se as batatas com a pele, retira-se-lhes depois a pele e cortam-se às fatias médias.

20 Minutos antes de servir, deita-se o bacalhau e as rodelas de batata num tabuleiro, envolvendo no molho de caril, em camadas, e vai ao forno médio para dourar.

Retificamos os temperos. E decoramos com camarões cozidos que passaram pelo mesmo molho.

Embora os vinhos clássicos para o caril sejam os Riesling e os Gewurztraminer, para beber com este Caril sugiro um Valle Pradinhos Branco, por exemplo o de 2014.

Manuel Luar

NO GERADOR ABORDAMOS TEMAS COMO CULTURA, JUVENTUDE, INTERIOR E MUITOS OUTROS. DESCOBRE MAIS EM BAIXO.

Já pensaste em tornar-te sócio gerador?

Ser Sócio Gerador é ter acesso à assinatura anual da Revista Gerador (4 revistas por ano), a descontos nas formações da Academia Gerador, passatempos exclusivos, experiências e vantagens na cultura.

Shopping cart
There are no products in the cart!
Continue shopping
0
{"cart_token":"","hash":"","cart_data":""}
Copy link
Powered by Social Snap