fbpx
Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

TRANSBORDA 1ª Mostra Internacional de Artes Performativas de Almada une artistas internacionais

A TRANSBORDA, realiza-se entre os dias 18 e 27 de junho de 2021, e foi…

Texto de Ana Mendes

Apoia o Gerador na construção de uma sociedade mais criativa, crítica e participativa. Descobre aqui como.

A TRANSBORDA, realiza-se entre os dias 18 e 27 de junho de 2021, e foi criada com o intuito de explorar as práticas e inovações em dança e artes performativas contemporâneas, criando um circuito de partilha entre artistas e curadores internacionais. Brasil, Espanha, Alemanha e Portugal são os países convidados a apresentar as suas obras na 1ª. edição da Mostra Internacional de Artes Performativas de Almada

De oficinas, a performances criadas para o formato digital e conversas online, a TRANSBORDA apresenta um conjunto de trabalhos com enfoque na diversidade dos corpos, na convivência entre diferentes culturas e na instituição de campos relacionais através da arte. A programação aproxima os artistas e criadores na experiência e transformação dos limites entre a arte e as comunidades.

Overtongue de Michelle Moura

As próximas atividades acontecem a 25 de junho, com a apresentação de “Overtongue”, de Michelle Moura, na Casa Municipal da Juventude de Cacilhas. No dia seguinte, 26 de junho, contamos com “Coin Operated”, de Jonas & Lander, no Fórum Municipal Romeu Correira. A programação digital avança com diversas conversas online, a começar com o crítico Ruy Filho, em streaming no site oficial do evento, de 18 a 27 de junho. Segue-se, de 24 a 25 de junho, “Brasil Sequestrado”, com a curadoria de Isabel Ferreira e Eduardo Bonito, voltando a apresentar online, numa segunda sessão, a 26 e 27 de junho.

Nesta 1ª. edição contamos com oito criadores, João Fiadeiro e Carolina Campos (Portugal/Brasil), Sofia Dias e Vítor Roriz (Portugal), Eduardo Fukushima (Brasil), Michelle Moura (Brasil/Alemanha) e Jonas & Lander (Portugal), e cinco obras, sendo elas “Ça va exploser” de Carolina Campos e João Fiadeiro, “O Que Não Acontece” de Sofia Dias e Vítor Roriz, o “Homem Torto” de Eduardo Fukushima, “Overtongue” de Michelle Moura e “Coin Operated” de Jonas & Lander.

A TRANSBORDA é coorganizada pela Casa da Dança e Núcleo de Artes Performativas de Almada e conta com os apoios da República Portuguesa - Cultura/Direção-Geral das Artes e da Câmara Municipal de Almada. Para mais informações, consulte o site oficial da TRANSBORDA – Mostra Internacional de Artes Performativas de Almada.

Local: Almada

Horário: 18 a 27 de junho de 2021

Preço: Consulte mais informações aqui.

Fotografias de Sebastian Rouge e Filipe Ferreira

Publicidade

Se este artigo te interessou vale a pena espreitares estes também

31 Agosto 2021

Latitude 40: Portugal e Argentina juntam-se na 1ª.edição do festival ibero-americano sobre artes participativas

19 Julho 2021

Museu de Lisboa dá a conhecer as hortas da cidade aos mais novos

7 Julho 2021

“Travessia”: uma reflexão sobre a identidade brasileira que reside na cidade do Porto

23 Junho 2021

Fábrica do Braço de Prata organiza mercado das artes

17 Junho 2021

Bairro em Festa: evento cultural reúne gerações nas artérias de Lisboa

4 Junho 2021

Há novas obras de arte para visitar nas paisagens de Proença-a-Nova

19 Maio 2021

Oficina Cultur’Ativa: uma viagem gratuita pela cultura portuguesa, do artesanato à gastronomia

17 Março 2021

Museu Bordalo Pinheiro promove oficina online de cartoon político

12 Março 2021

Encontro Nacional pela Justiça Climática: dois dias de debate interseccional

20 Julho 2020

FIAR eleva a cultura, em Palmela, durante dois dias

Academia: cursos originais com especialistas de referência

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Fundos Europeus para as Artes e Cultura I – da Ideia ao Projeto

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação ao vídeo – filma, corta e edita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Viver, trabalhar e investir no interior [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Práticas de Escrita [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

O Parlamento Europeu: funções, composição e desafios [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Introdução à Produção Musical para Audiovisuais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Iniciação à Língua Gestual Portuguesa [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Pensamento Crítico [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Comunicação Cultural [online e presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Narrativas animadas – iniciação à animação de personagens [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Soluções Criativas para Gestão de Organizações e Projetos [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Comunicação Digital: da estratégia à execução [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Planeamento na Produção de Eventos Culturais [online]

Duração: 15h

Formato: Online

30 JANEIRO A 15 FEVEREIRO 2024

Jornalismo e Crítica Musical [online ou presencial]

Duração: 15h

Formato: Online

Investigações: conhece as nossas principais reportagens, feitas de jornalismo lento

5 JUNHO 2024

Parlamento Europeu: extrema-direita cresce e os moderados estão a deixar-se contagiar

A extrema-direita está a crescer na Europa, e a sua influência já se faz sentir nas instituições democráticas. As previsões são unânimes: a representação destes partidos no Parlamento Europeu deve aumentar após as eleições de junho. Apesar de este não ser o órgão com maior peso na execução das políticas comunitárias, a alteração de forças poderá ter implicações na agenda, nomeadamente pela influência que a extrema-direita já exerce sobre a direita moderada.

22 ABRIL 2024

A Madrinha: a correspondente que “marchou” na retaguarda da guerra

Ao longo de 15 anos, a troca de cartas integrava uma estratégia muito clara: legitimar a guerra. Mais conhecidas por madrinhas, alimentaram um programa oficioso, que partiu de um conceito apropriado pelo Estado Novo: mulheres a integrar o esforço nacional ao se corresponderem com militares na frente de combate.

A tua lista de compras0
O teu carrinho está vazio.
0