Project Description

ROSANA RIBEIRO

BIO

Natural de Lisboa, cedo iniciou a prática de dança, desenvolvendo a partir de 2005 os seus estudos no Chapitô – EPAOE. Em 2007, fez parte da peça “LabMM” de Nuno M Cardoso no Museu da Electricidade. Concluiu em 2008 o curso profissional, ingressando nesse mesmo ano na licenciatura em Dança Contemporânea na Northern School of Contemporary Dance em Leeds, UK. Ainda em Leeds trabalhou com o coreógrafo James Wilton em “Palm Desert CA.” e com Charlie Morrisey em “Various Birds”.

Terminou em 2011 a licenciatura, deslocando-se para Londres onde tem trabalhado com a companhia Jean Abreu Dance na peça “(A)Thread” e theMiddletonCorpus em “Behind Closed Doors” e “Fragile Descent”. Em 2012, esteve em tournê com a peça “Laugh & Cry” de Evangelia Kolyra no Festival Fringe de Edimburgo e de Estocolmo e também no Festival Schiume de Veneza.

Em Portugal, como estagiária e intérprete integra o elenco de Shelters de Hofesh Shechter/Companhia Instável inserido na Guimarães Capital Europeia da Cultura 2012.

De volta a Londres, foi intérprete em produções operáticas na Royal Opera House tais como “Eugene Onegin, coreográfado por Signe Fabricius e “Nabucco” dirigido por Daniele Abado. Com a English National Opera integra a producão “Rigoletto” dirigido por Christopher Alden e em “Between Worlds” co-producão do Barbican Theatre dirigido por Deborah Warner e com coreografia de Kim Brandstrup. Trabalhou também com algumas produções a nível cinematográfico.

Em 2013, criou e interpretou o solo “Fuel no thePlace (UK) com a companhia Katarse Ensemble, iniciando assim um processo coreográficoAinda este ano coreografou a peça “Plastisphere” e trabalhou como ensaiadora para a companhia CieMulator Dance Theatre na peça “Risk Forward” e como assistente de direcção para o encenador John La Bouchardiere no projecto “Betrayal”. 

Em 2015 retorna a Portugal para integrar o elenco da peça ‘A Festa da Insignificância’ de Paulo Ribeiro e colabora pela primeira vez com a revista Gerador no evento Trampolim Gerador com a co-criação (Rui Peixoto) da performance ‘Peso Abstracto do Tempo’.