“A última viagem” é o tema da 13ª edição do LEV – Literatura em Viagem, a 13ª edição do festival que decorre de 10 a 12 de maio, no Teatro Municipal de Matosinhos-Constantino Nery.

O Festival leva à cidade de Matosinhos, autores premiados como o escritor de A Linha da Beleza e vencedor do Man Booker Prize, Alan Hollinghurst, Michael Cunningham, autor de As Horas, que também conta com um Pulitzer e ainda, Frederico Lourenço, escritor e professor universitário, vencedor do Prémio Pessoa em 2016.

Com o intuito de explorar o universo das viagens que não correram como previsto, marcando a memória coletiva, o tema da edição deste ano, “a última viagem”, pretende explorar “a forma como a literatura se apropriou destas histórias e as eternizou ou redescobriu”, disse ao Gerador, o vereador da cultura da Câmara de Matosinhos, Fernando Rocha. 

“Num tempo em que a sociedade se orienta apenas pelo sucesso, convém não esquecer os fracassos, os erros, as tragédias, os episódios dos quais se retiram grandes lições e que permitem, depois, avanços tecnológicos fundamentais”, acrescentou ainda Fernando Rocha sobre a importância da temática. 

Para as conversas com o público, foram também convidados autores das mais diversificadas áreas das letras que incorporaram, de algum modo, nas suas obras a temática, tais como o João Canijo, argumentista do filme que retrata o naufrágio de um barco de pescadores ao largo do Mar da Palha, Tarde Demais. Mas também a escritora e antiga hospedeira de bordo da TAP, Helena Vasconcelos, que exerceu funções durante o processo de independência de Angola e Moçambique, consagrando a importância “destas travessias aéreas que marcaram a nossa história”. Fernando Rocha destaca ainda a presença de Fernando Dacosta que partilhará memórias da sua convivência com Francisco Sá Carneiro e o impacto do seu desaparecimento na vida portuguesa e na sua mitologia política. 

Às mesmas conversas juntam-se ainda Carlos Fiolhais, Fenando Ribeiro, Mário Correia, Fernando Vendrell, Rui Tavares e José Milhazes para, também eles partilharem as suas histórias e pontos de vista sobre a importância das viagens fracassadas e o que com elas aprendemos. 

No dia 10 de maio, o Salão Nobre da Câmara Municipal de Matosinhos inaugura a 13ª edição do Festival com a habitual conferência cujo protagonista ainda será anunciado pela organização. No mesmo dia, as escolas de Matosinhos receberão também a presença das escritoras Inês Botelho e Raquel Patriarca no âmbito do LeVzinho. 

Para além das conversas, o Festival leva Nuno Quintas à Biblioteca Municipal de Matosinhos para uma oficina de tradução, marcada para dia 11 de maio às 11h. Enquanto que escritor e jornalista cabo-verdiano Silvino Évora marcará presença no Teatro Constantino Nery para uma sessão de leitura marcada para as 18h de sábado. 

No âmbito do programa internacional CELA (Connecting Emerging Literary Artists), será apresentado o espetáculo “Na tua ou na minha língua” no qual estão envolvidos os autores e tradutores Fabio Guidetti, Maud Vanhauwaert, Pedro Viegas, Simone Atangana Bekono e Xénon Cruz. 

Com o objetivo de promover e incitar o teatro e a produção dramaturgica, Caplan Neves, Fabio Brandi Torres, Jorge Louraço, Inmaculada Alvear, Cecília Ferreira e Luís Miguel Cruz, participarão numa residência dramatúrgica que levará os autores às várias escolas do concelho.  Precisamente no dia 11 será organizada uma sessão de leitura encenada de uma das peças escritas durante essa mesma residência. 

Texto de Rita Matias dos Santos

Se queres ler mais notícias sobre a cultura em Portugal, clica aqui.