Hoje, pelas 21h30, o ator Eduardo Breda vai interpretar o texto V A T A, da sua autoria e, logo de seguida, responde a eventuais questões do público em direto numa conversa performática. Aslan recebe uma chamada misteriosa.  Os “electric eyes” continuam atentos aos nossos movimentos internos. O mundo do sonho é supervisionado. Quais sãos os limites da videovigilância?

Quando o vídeo da leitura encenada terminar podes ainda juntar-te ao artista numa conversa em direto no nosso canal de youtube. Basta clicares aqui e pelas 18h41 vais poder colocar questões ao ator e perceber melhor o processo de criação deste vídeo. Aproveita ainda para subscrever o nosso canal de youtube e seguir de perto todas as nossas loucuras.

Um bilhete para a cultura

Cultura para matar o bicho é uma iniciativa do Gerador que promete levar, diariamente, um conjunto de momentos culturais até tua casa, promovendo as mais diversas áreas, entidades e pessoas ligadas à cultura portuguesa.

Todas as iniciativas culturais diárias que estamos a fazer no nosso site são gratuitas para o público mas remuneradas para os artistas que nelas participam. Apoia-nos e contribui para que continuemos a levar a cultura portuguesa a todos, através do donativo que podes fazer já aqui do lado esquerdo :-)

Se gostas destas iniciativas fica por aqui, o resto da semana está também recheado de cultura aqui no nosso site. Desde duetos em direto com artistas de áreas culturais diferentes, passando por mesclas ao vivo, a leituras encenadas sempre às quintas-feiras, até a workshops de tudo o que pode ser útil para casa. Descobre aqui o nosso plano semanal para levar a cultura a casa de todos. E sabe mais sobre o compromisso do Gerador para os próximos tempos aqui.

Eduardo Breda terminou a Licenciatura na Escola Superior de Teatro e Cinema no curso de Teatro e, desde então, tem trabalhado em cinema, teatro, ficção nacional, como realizador e ainda criador de vídeo de diversos espetáculos.

Como ator participou em espetáculos como Felizmente Há Luar (Cláudio da Silva, 2011), Pleasure Gardens (André Guedes, 2011), Lifless (criação de Eduardo Breda, 2016), A Vila ( criação de Eduardo Breda e Maria Leite, 2017), Maioria Absoluta ( Gonçalo Amorim 2018), O Novo Mundo (Os Possessos, Culturgest 2018), Romeu e Julieta ( João Mota – Teatro da Comuna 2019), Kobudai (criação Eduardo Breda 2019), entre muitos outros.

Na  ficção nacional participou em projetos como Prisioneira (Plural); Santa Barbara (TVI/Plural); Poderosas (SIC/SP);  Sol de Inverno(SIC/SP) e como realizador recebeu, em 2014, uma bolsa do Centro Nacional de Cultura para realizar e produzir o seu primeiro documentário, O Retrato. Seguiu-se depois, Boa Alma (2015),  Palácio de Cristal (2016) e Caos Danado (2018).  Realizou também a Web-série Os Muralistas (produzido pela After Wall & Dyrup).